.

* Por Tiago Neto da Silva

Falar sobre Paulo Freire constitui algo de fundamental importância na atualidade. Não somente, porque reconhecemos a justa homenagem de Patrono da Educação brasileira ao professor, mas, devido ao contexto histórico de sua vida e obra – forçado a sair do país sob acusação de “subversão”, o educador foi exilado a partir da instauração da Ditadura Militar de 1964 que durou 21 anos, onde o país ficou sujeito a censura, desaparecimentos, torturas e assassinatos. Contudo, é comum parcelas da sociedade denominarem o Golpe de Estado dado pelos militares de “revolução”. Como se não bastasse isso, há quem “vista verde e amarelo” pedindo Intervenção Militar sentindo orgulho. Bem, sabemos o significado dos regimes autoritários, a começar pela impossibilidade do livre pensamento. Nesse sentido, como contraponto a lógica da opressão, o educador cultivou a amorosidade, o diálogo e a generosidade, daí a relevância de sua abordagem para a educação como prática da liberdade.

O educador “subversivo” à época estava na direção e coordenação do projeto político que visava erradicar o analfabetismo, com a alfabetização de jovens e adultos. Emergências – urgências, significa conhecer as 40 horas de Angicos – Rio Grande do Norte.

O significado de reexistência ou resistência, podemos verificar na obra de Pedagogia do Oprimido publicada em 1968. Ao tomar contato com o livro verifica-se a seguinte sentença: “A leitura do mundo, precede a leitura da palavra”, que diz muito sobre memória, história, autonomia, liberdade e direitos.

Da perseguição política das décadas dos anos de chumbo até a máxima de “expurgar a ideologia de Paulo Freire” escrito no programa – proposta de governo ou carta de intenções na campanha eleitoral de 2018, cujo presidente eleito foi Jair Messias Bolsonaro. Compreendemos que a sanha persecutória ao pensamento educacional freiriano vem desde 1964 e nos dias atuais a criminalização – demonização do educador aumentou.

Essa lógica tem como fio condutor o avanço das forças conservadoras, que no campo educacional verificou manifestações representadas pela noção de “Doutrinação Marxista”, “Ideologia de Gênero”, talvez sob o guarda-chuva do projeto Escola Sem Partido. Ainda na carta de intenções, diz que no Brasil vigorou “nos últimos 30 anos o marxismo cultural e suas derivações como o gramscismo” responsáveis pela corrupção “da moral e dos bons costumes”, prejudicando a “Nação” e a “família” brasileira. Ou seja, existe uma singularidade perversa em demonizar Paulo Freire – Patrono da Educação – atrelado ao pensamento único, ao silenciar e invisibilizar aquelas e aqueles que são considerados inimigos. Não desejam uma escola livre, mas sim uma instituição escolar amordaçada, sem o contraditório, a divergência, sem o direito ao livre pensamento e liberdade de expressão. Transgredir à ordem estabelecida encontrou eco na juventude nas ruas no #15M.

O neofascismo radicado no país tem como fio condutor a extrema direita sem nenhuma vergonha de demonstrar-se abertamente adepta de uma ideologia conservadora e reacionária, cujo pensamento e linguagem está estruturado no processo de corrosão do propalado Estado Democrático de Direito, interrompido bruscamente no impedimento da presidenta Dilma Vana Rousseff, na prisão -interdição política do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para sacramentar o Estado de Exceção ou a fraude eleitoral retirando do pleito o candidato à frente das pesquisas que mais fez pela democratização da educação básica e superior em toda da república. “Balbúrdia” é a dilapidação com os direitos do povo brasileiro à educação. “Idiotas (in)úteis” são a tríade arcaica que alçou ao poder ocupando lugar de destaque no Ministério da Educação: Ricardo Vélez Rodrigues – ‘no meio do caminho’ Olavo de Carvalho – e Abraham Weintraub.

É preciso estar atento sobre a nova dinâmica das relações de poder no Brasil, a contra-ofensiva de setores conservadores, tradicionais de nossa sociedade mesclam com o surgimento de uma nova direita, ultraconservadora nos costumes e extremada na política econômica, o Estado mínimo possível, à luz do austericídio, cuja seleção de inimigo interno a ser neutralizado é a educação, sobretudo as Universidades e Institutos Federais. Nessa perspectiva, a demonização do educador Paulo Freire é sintomática, corrobora com o avanço da Escola Sem Partido, Militarização das Escolas, Educação Domiciliar; o debate educacional de maior fôlego é suplantado pela Reforma do Ensino Médio por Medida Provisória, com a Reforma Trabalhista que geraria “milhões de empregos”, com a Reforma da Previdência e o Pacote Anticrime de Moro. A reestruturação do capital a nível internacional tem severos impactos na América Latina, sobretudo no Brasil.

No dia 15 de Maio de 2019 fui ao ato político em Brasília – Distrito Federal consciente da importância do atual momento histórico fazendo a defesa de Lula Livre. Consciente que a luta pela educação contra os cortes é indissociável do desejo de saber quem mandou matar Marielle Franco e Anderson Gomes. Em defesa da memória, vida e obra do educador Paulo Freire. E que apesar de você – Bolsonaro – amanhã, há de ser outro dia!

* Tiago Neto da Silva tem 28 anos e é estudante de Licenciatura em Química Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Goiás – Campus Luziânia.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Copa FemiNINJA

Um amor, um coração: Reggae Girlz unidas por um sonho

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal