Por Larissa Alcantara | Copa FemiNINJA

Foto: Bruno Teixeira/ Ag. Corinthians

Um dos principais clubes do Brasil, o Sport Club Corinthians Paulista, fundado em 1910, carrega em sua jornada 54 títulos oficiais pelo elenco masculino, tendo como maiores conquistas dois campeonatos mundiais. Porém, mesmo tendo uma longa história, só em 2016 que o clube alvinegro passou a ter um time feminino que o representasse. E essa talvez tenha sido, entre tantos títulos, uma das maiores conquistas proporcionadas: a representatividade feminina em campo.

O surgimento do time em 2016 ocorreu através de uma parceria com o Grêmio Osasco Audax, e foram duas temporadas jogando pelos dois clubes. Nesse período, elas conquistaram a Copa do Brasil em 2016 e em 2017 ganharam a Copa Libertadores da América. Com o fim da parceria em 2018, o time passou a ter uma gestão própria e com o comando do técnico Arthur Elias conquistaram o Campeonato Brasileiro de 2018

No início de 2019 o clube criou o sub-17, onde as garotas estão sob o treinamento da ex-jogadora Daniela Alves, que participou de 3 olimpíadas e 2 mundiais pela seleção. É possível notar que o trabalho de base no futebol feminino ainda é falho no Brasil, no caso do Corinthians por exemplo ainda falta criar o sub-11. Essa ausência das categorias de base nos clubes não proporciona um desenvolvimento técnico completo das jovens atletas, que pode refletir de maneira negativa no futuro profissional.

Mas mesmo que o futebol feminino do Corinthians possua 3 anos de existência e o trabalho de base ainda esteja em um processo inicial, o alvinegro emplacou jogadoras no elenco da seleção brasileira para Copa do Mundo Feminina 2019. As escaladas para representar o país foram Leticia Izidoro (goleira), Érika Cristiano (zagueira) e Mônica Hickmann (zagueira). Também foi convocada a atacante Adriana Leal, que infelizmente sofreu uma lesão no joelho esquerdo e acabou sendo cortada da seleção.

Campanhas de incentivo

Em abril de 2018 o Corinthians lançou a campanha #CaleoPreconceito, o objetivo era atrair patrocinadores para o elenco feminino e a estratégia para alcançar isso foi estampar frases machistas nas camisas. As frases foram retiradas de comentários feitos nas redes sociais do clube, entre as selecionadas estão os comentários: “Mulher é na cozinha e não jogando futebol” e “Futebol feminino só vai ser bom quando acabar”.

Recentemente, no início de 2019, o clube mudou a partida do campeonato brasileiro que ocorreria no Parque São Jorge para o Pacaembu. A ideia por trás de tal mudança era atrair mais torcida e juntamente com a Nike, o clube usou da campanha #UmSóCorinthians para demonstrar a importância do futebol feminino para a fiel.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

General defende legalização da maconha medicinal?

Juan Manuel P. Domínguez

Márcia Tiburi: “Fora do Brasil todos já perceberam que Bolsonaro é um maníaco”

Isa Penna

Isa Penna: Doria quer se desvincular de Bolsonaro. Você cai nessa?

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: lucros e dividendos - Parte 2

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?