Desde 26 de novembro, milhares de agricultores indianos têm agitado o país contra as novas leis agrícolas do governo de Narendra Modi, que eles consideram “pró-corporativas” e “exploradoras ”. Os protestos dos agricultores estão sendo considerados o maior levante agrário da história recente mundial.

Essa tsunami de protestos têm destacado um novo tipo de figura revolucionária para o mundo: AS MULHERES AGRICULTORAS, essenciais para a manutenção e fortalecimento da agricultura na Índia. No entanto, mesmo elas sendo responsáveis por 15,4% da  economia nacional, nem o setor agrícola nem o arcabouço da política macroeconômica reconhecem seu trabalho. O setor agrícola indiano é caracterizado por estruturas feudais e patriarcais profundamente arraigadas que impõem restrições significativas, deliberadas e inadvertidas às mulheres. Normalmente, em sociedades patriarcais agrárias típicas, mulheres e homens não têm igual acesso a aquisição de terras, o que tecnicamente as desqualifica para receber apoio institucional de bancos, seguros, cooperativas e programas governamentais. De acordo com a Pesquisa de Desenvolvimento Humano na Índia de  2018,  83% das terras agrícolas no país são herdadas por membros masculinos da família e menos de 2% por mulheres. A comunidade agrícola feminina indiana será afetada ainda mais caso as três novas leis agrícolas aprovadas pelo governo em setembro sejam implementadas.

Contra esse pano de fundo, agricultoras indianas estão levantando suas vozes com força total nos protestos dos agricultores, aproveitando essa oportunidade para reivindicarem publicamente essa identidade.

Em 18 de janeiro, no Dia das Mulheres Agricultoras na Índia, uma série de organizações femininas realizaram em todo país  manifestações, mobilizando ativamente a opinião pública  em vilas e cidades, indiferente de classes e castas.

Além de se manifestarem, as agricultoras assumiram toda a responsabilidade de administrar suas fazendas e famílias enquanto os homens protestam nas fronteiras de Delhi. Fazendo malabarismos entre cuidar da casa e alimentar seus filhos, as mulheres também estão garantindo que haja um fornecimento contínuo de alimentos, cobertores e outros itens essenciais  e necessários nos locais de protesto. Sem esse apoio logístico delas, certamente os acampamentos nas fronteiras de Delhi, por exemplo, não estariam de pé até hoje

O número de mulheres em vários locais de protesto nas fronteiras de Delhi e em outras regiões da Índia tem aumentado constantemente,  o que mostra  que o levante dos agricultores e agricultoras da Índia se tornou não só um espaço de luta, mas também de empoderamento para a comunidade agrícola feminina do país, que demonstra não voltar atrás em suas demandas de igualdade para trabalhadoras do campo.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Tatiana Barros

Novos tempos exigem novos palcos

Márcio Santilli

CPI da pandemia acelera declínio de Bolsonaro

Renata Souza

13 de abril: dia de celebração e luta para as mulheres do samba

Estudantes NINJA

Governo Bolsonaro: desrespeito ao Enem, à Educação e ao Futuro

Boaventura de Sousa Santos

A claridade e a escuridão

Álamo Facó

O indígena e a máquina do tempo

Liana Cirne Lins

O julgamento de Lula no STF: é cedo para comemorar?

Fabrício Noronha

Quem sabe do futuro da cultura brasileira?

Lais Gomes

Se é reversível, se joga!

Fabio Py

‘Flores nas encostas de cimento’: o silenciamento e a tomada dos crentes de esquerda na política

Movimento dos Pequenos Agricultores

Movimento dos Pequenos Agricultores no RJ lança novo site para ampliar a comercialização de alimentos agroecológicos

Isabella Queiroz

Ser maker não está à venda

Colunista NINJA

Reviravoltas andinas: eleições no Peru e Equador

Bancada Feminista do PSOL

100 dias de Covas em SP

Amanda Pellini

O que a ciência faz para confiarmos nela?