Para as Eleições de 2020 a União Vegana de Ativismo (UVA), elaborou uma Declaração de Compromisso de Candidaturas para o Veganismo Popular com 140 assinaturas de candidates de todo o Brasil

Há anos o veganismo tem sido sinônimo de ativismos extremistas com divulgação de animais agonizando na indústria de forma a escancarar as imperfeições ou incoerências do expectador. Ultimamente o veganismo tem ainda ganhado fama de elitista e inacessível à maioria da população.

Ambas as reputações têm, de fato, representação no multidiverso movimento vegano. Existem pessoas que desejam demonstrar superioridade moral em relação às demais ou as que focam na oferta de produtos veganos industrializados de grandes empresas, mas, embora venham a ter grande visibilidade por poder econômico ou midiático, são apenas vertentes do movimento.

Existem, por sua vez, organizações e indivíduos que difundem o veganismo como um movimento social em defesa da consideração moral de todos os animais, humanos e não humanos. Com mais de 30 coletivos locais em formação ou atuação, a União Vegana de Ativismo (UVA) foi fundada a partir dessa perspectiva, e acreditamos que o veganismo deve ser interseccional, articular-se a outras lutas por justiça social e ser disseminado de uma forma acessível e popular.

Dentro dessa perspectiva, e de forma a agir politicamente em nossa sociedade, criamos para as candidaturas uma Declaração de Compromisso com um Veganismo Popular e defendemos 18 pautas prioritárias para as Eleições de 2020, elencadas em 4 eixos temáticos: direitos dos animais; meio ambiente e educação; agricultura familiar, agroecologia e territórios; e nutrição e saúde.

Historicamente nas eleições, muitos políticos que tem levantado a bandeira da causa animal não-humana são de partidos conservadores e alienantes. Ao mesmo tempo que defendem pautas de bem-estar de alguns animais, votam pela precariedade da condição humana.

Nós da UVA queremos ajudar a modificar essa realidade! Queremos que políticas e políticos de esquerda entendam que devemos nos unir na luta e combater inimigos em comum: o agronegócio (que existe essencialmente para a pecuária), transgênicos e agrotóxicos que devastam nossa biodiversidade e acabam com nossa saúde e meio ambiente, a bancada ruralista e seus representantes no Estado.

Queremos construir novos modelos de sociedade, estimulando comida de verdade, agricultura familiar, hortas comunitárias, agroecologia, economia solidária, restaurantes populares e a defesa do território de comunidades tradicionais, como indígenas e quilombolas.

Nós desejamos que as vidas dos animais sejam relevantes e que não sejam considerados objetos. Para alcançar mudanças, escolhemos um caminho pela educação não punitivista e legalista contra indivíduos. As pautas propostas estão em consonância com os temas que já tem apoio na população de uma maneira geral, como: adoção responsável e castração de animais, desestímulo aos maus tratos e comércio, não utilização de animais para esporte ou entretenimento humano e acesso à alimentação vegetariana para todos que desejarem.

Dessa forma, entendemos esse documento como um conjunto de pautas em comum, nas quais o movimento vegano e demais movimentos populares podem se unir de forma a contribuir para a justiça social e ambiental e para uma sociedade que valorize a vida.

Para as eleições do primeiro e segundo turno, dia 15 e 29, a UVA convida você, eleitor(a) a conhecer nossas pautas, apresentar às candidaturas que apoia e conversar com outras pessoas a respeito. Para quem está concorrendo às eleições, fica o convite a assinar a Declaração(3) e fazer parte dessa união de esforços por um movimento popular interseccional. Agora, já são mais de 140 assinaturas por todo país.

Confira a lista dos candidates que assinaram a carta compromisso aqui

Considere candidaturas que se comprometam com esses pilares!

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Tatiana Barros

AutorAS de ficção científica no Brasil? Temos sim!

Morena Meireles

Boas vindas de uma UX Designer

História Oral

Censura e perseguição contra Educadores

Ivana Bentes

Karol Conká não é Odete Roitman

transpoetas

Caminhadas marginais: 20 de fevereiro e a luta de corpos transmasculinos

Mariane Santana

Um papo descomplicado sobre algoritmos de redes sociais

Aline Calamara

Um corpo para consumo nas redes

Bruno Ramos

Salvador da Rima, a truculência da PM e os desafios do Funk

Álamo Facó

A fundação do Rio e o início do fim

Renata Souza

Epidemia de feminicídios: as mulheres querem viver, não sobreviver!

Renata Frade

Inclusão e diversidade em Tecnologia da Informação desde a infância

Amanda Pellini

5 maneiras de resgatar um idoso do abandono nas novas tecnologias.

Márcio Santilli

Titulação de quilombos repara injustiças e reconstrói relações

Daniele Apone

Que tal a gente desaglomerar de vez?

Márcio Santilli

Com as próprias mãos: reflorestando a Asa Norte