Foto: Diego Bresani

Das menções ao AI-5 pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro e pelo ministro da Economia Paulo Guedes às falas de Jair Bolsonaro que acusaram Leonardo DiCaprio de ser o responsável pelas queimadas da Amazônia, nos indicam que tivemos mais uma semana agitada e preocupante.

“Sejam responsáveis, pratiquem a democracia. Ou democracia é só quando o seu lado ganha? Quando o outro lado ganha, com dez meses você já chama todo mundo para quebrar a rua? Que responsabilidade é essa? Não se assustem então se alguém pedir o AI-5. Já não aconteceu uma vez? Ou foi diferente? Levando o povo para a rua para quebrar tudo”, afirmou Paulo Guedes, ministro da Economia.

“Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plesbicito como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada”, Eduardo Bolsonaro, deputado federal.

O Ato Institucional número 5, de 1968, marcou o auge do autoritarismo no Brasil, durante a Ditadura Civil Militar. Ele instituiu o fechamento do Congresso Nacional, cassou mandatos de parlamentares e suspendeu o Habeas Corpus para crimes políticos, o que fez muitos artistas e intelectuais, da época, se exilarem.

O que se viveu entre 1964 a 1985, foi criação dos próprios homens e que por isso, é significativa a compreensão dos militares não apenas como torturadores, mas também, como homens que estavam inseridos na sociedade.

De acordo com a Psicanálise, há muito tempo para o senso comum, a ideia do que é o “outro” se distancia em todos os aspectos do que seria o “eu”, colocando em posições opostas seres que na verdade, só existem devido a complementaridade natural que há entre eles. Saber a importância simbólica do outro é indispensável para compreendermos a história e saber quem somos.

Para entendermos as intenções das falas de integrantes do governo atual, e por qual razão 58 milhões de brasileiros elegeram Jair Bolsonaro como Presidente da República, é necessário ter em mente que um Estado autoritário não se baseia somente em práticas coercitivas, mas que também, existem formas de consentimentos dos civis aos seus governantes.

A conservação e perduração da ideia, por exemplo, de que os militares são detentores da ordem e responsáveis pela segurança nacional, contribuem para efetivação de tal consentimento.

Avaliar os discursos e atitudes de Bolsonaro como inocentes e engraçadas, e por isso torná-las banais, é negar o uso da linguagem como a principal estratégia de legitimação de um governo baseado no autoritarismo. É preciso estarmos atentos e muito.

Para compreender o que foi o período ditatorial no Brasil e o momento atual, é preciso considerar a relação da sociedade civil com os militares nesse período. Pois assim, será possível entender melhor as subjetividades dos dias atuais quando, por exemplo, permeou durante as eleições presidenciáveis de 2018, narrativas de ódio produzidas por Jair Bolsonaro a grupos que são historicamente marginalizados e criminalizados e que foram disseminadas por civis através de WhatsApp e etc.

Inclusive, aposto que um tio seu repostou algum vídeo absurdo nas redes sociais. Não foi?

Se antes dessas eleições, especificamente, era falado por aí que seria impossível Jair Bolsonaro ser presidente do Brasil, não entendemos que um período como a Ditadura Civil Militar no Brasil, que matou milhares de pessoas, obteve consenso da população civil através de diferentes mecanismos que transcendem a violência física, já que os militares se apropriaram e apropriam constantemente da subjetividade humana.

Ou você acha que o regime se perdurou durante 21 anos só à base da violência?

Mas a Psicanálise explica Bolsonaro? Digo que não a pessoa, rs. Mas com certeza, explica as estratégias de legitimação de seu Governo.

Tomemos cuidado com discursos como o do AI-5 e Leonardo DiCaprio, que nos dispersam e tiram o foco de temas que não devem ser esquecidos, como a possível relação da família Bolsonaro com o assassinato de Marielle: isso é estratégia discursiva que vem sendo utilizada desde períodos como a Ditadura e na verdade: até muito antes.

Sejamos personagens críticos sempre.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

O racismo e o pito do Pango

Boaventura de Sousa Santos

Lula da Silva: a democracia entre o passado e o futuro

Renata Mielli

Que manchete um jornalista daria para essa notícia?

Manuela d'Ávila

Joice, eu sou sinceramente solidária a você porque sei o que você está vivendo

Mônica Horta

Moda contemporânea e seus múltiplos caminhos

Daniel Zen

Embustes e engodos da chamada nova política

Colunista NINJA

Hey branquitude, o que você está fazendo para acabar com o racismo que você mesma criou?

Ivana Bentes

As cotas e a pesquisa do IBGE: conservador, não tem volta não!

André Barros

O porteiro do condomínio do Bolsonaro

Jean Wyllys

Carta a Dilma: Eu cuspi na cara dele por você, Dilma. Por nós.

Renata Mielli

A crueldade como ferramenta jornalística

Daniel Zen

O equívoco liberal chileno

Victoria Henrique

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada