“Eu quero que as pessoas olhem para a Verônica Lima e digam: Eu quero votar numa mulher preta, potente e eficiente.” – A primeira vereadora negra eleita em Niterói iniciou sua militância no movimento estudantil, foi Subsecretária de Segurança Alimentar e Nutricional, foi também secretária de Assistência Social e Direitos Humanos e está candidata à vereadora novamente para continuar lutando por uma cidade mais igualitária e participativa.

Enquanto Parlamentar sempre se preocupou em desenvolver um dialogo direto e horizontal com o povo, criou o Dia da Visibilidade Lésbica, o Estatuto Municipal de Igualdade Racial que garante cota mínima de 20% para negros nos concursos públicos municipais e legislativos. É autora do Estatuto da Pessoa Gestante, autora da lei de diretrizes para acolhimento a mulheres vitimas de violência e criou a lei que reserva 3% das vagas de trabalho em obras e serviços públicos municipais para pessoas em situação de rua.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Verônica Lima 13580 (@ve_vereadora) em


“Como vamos falar em combater a violência doméstica, sem uma mulher na Câmara de Vereadores, como que a gente vai lutar por escola em período integral, creches para as mulheres poderem ir trabalhar, se a gente não tem mulheres nesse espaço de poder. Então compreendendo que a pauta das mulheres é muito importante para o desenvolvimento da sociedade, eu resolvi me colocar.”

O compromisso de Verônica Lima com os direitos humanos, com as pessoas em condições vulneráveis, com o diálogo e com os trabalhadores é evidenciado na sua trajetória política de vida. Sem pestanejar, atuando de maneira enfática e compreendendo a importância de desenvolver um Mandato que seja de fato efetivo, para além dos aspectos simbólicos que são importantes. A conjuntura política atual deixa explícita a necessidade de candidaturas combativas e a cidade de Niterói vai continuar avançando em conquistas para o povo com a reeleição deste Verônica.

Acesse Pretas e Pretos no Poder e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Marielle Ramires

O Brasil com S é maior que Bolsonaro

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?