“É imprescindível ocupar esses lugares, esses espaços de poder e de decisão da cidade, principalmente por pessoas que vieram das periferias e sentem na pele a pouca estrutura que a cidade oferece.”

Rodolfo Ataíde é formado em gestão e marketing, pós-graduado em Gestão Pública e Desenvolvimento Regional (IFMG). Fundador do Coletivo Semifusa, foi secretário de Cultura de Ribeirão das Neves em 2016, superintendente de Cultura, entre 2013 e 2015. É poeta, fotógrafo e representa a Bancada +Cidade por Ribeirão das Neves. Uma proposta de Mandato coletivo que tem a Shirley Santos, professora há 23 anos das redes públicas e particulares, Alisson Ferreira, campeão latino-americano e mundial de Slackline, Andrew Freitas, uma das lideranças da Unidade Popular Pelo Socialismo em Neves e membro do conselho de Juventude e o Douglas Neves, formado em matemática e sociologia, pós graduando em ensino religioso, professor, membro do Coletivo Neves de Todos, juntos para disputar uma vaga na Câmara de Vereadores.

A pluralidade que a candidatura representa em áreas como educação, esporte, moradia e cultura evidencia a urgência de se elevar essas pautas para outros patamares de luta na cidade. Todas que compõem a bancada compreendem a importância de mudar a forma de fazer política, de estender a atuação militante tradicional e ocupar a Câmara com pautas progressistas, populares, que pense uma cidade mais inclusiva, que permita a ampla participação popular e que esteja naquele espaço institucional como porta voz para as injustiças e para aquilo que está acontecendo nas ruas.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Rodolfo Ataíde | 65100 (@rodolfo_ataide) em

“Ribeirão das Neves precisa urgentemente investir na educação dos nossos jovens, das nossas crianças, porque nós temos infelizmente uma realidade muito triste, nós temos uma das maiores taxas de homicídio da população jovem, principalmente a população jovem negra aqui e Ribeirão das Neves, então nós temos com atuar com políticas públicas eficientes para mudar essa realidade e trazer esperanças para os nossos jovens.” – Douglas Neves

É preciso acreditar na política como instrumento de transformação social, que garanta dignidade para as pessoas, oportunidade de emprego, de renda, uma educação pública de qualidade. Cultura, esporte e que represente os interesses daqueles que são constantemente atacados, que vivem em situações vulneráveis e que não tem perspectiva em um futuro melhor. É possível construir uma cidade democrática, que garanta a vida digna e o respeito e que compreenda a importância de pautar uma política feita de forma coletiva, diferente e que desenvolva um olhar mais atencioso para a juventude e traga protagonismo para o povo pobre na Câmara de Vereadores.

Acesse Vereadores Que Queremos e conheça candidaturas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?