“A fiscalização na Câmara Municipal é muito importante porque trás resultados positivos. Temos exemplos práticos disso na atuação em Bragança Paulista. ” 

Quique Brown pedagogo, autor do livro “Guitarra e Ossos Quebrados”, músico, produtor cultural, está vereador em Bragança Paulista e se candidata à reeleição para continuar a luta de um mandato para todos. Além das inúmeras conquistas para o lazer a cultura da cidade foi um dos responsáveis pela aprovação de Leis importantes como a que trata da Prevenção da Violência Doméstica com Estratégia da Saúde da Família e da Lei que obriga o município a divulgar processos de conciliação ambiental.

A garantia da luta por cultura popular, como ferramenta para uma educação libertadora, colaborando com os esportes, o lazer e também no resgate histórico da cidade, são pautas centrais no mandato do vereador Quique Brown. Os projetos que vem desenvolvendo na Câmara de Vereadores e defendendo com persistência, contemplam áreas complementares que juntas promovem emancipação e inclusão social.  “Em 2008, 2009 a gente organizava muitos shows, sessões de cineclube, exposição de arte, peças de teatro em um casarão antigo aqui no centro da cidade.” Além da atuação na fiscalização e legislações como funções primeiras do cargo.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por quique_brown (@quique_brown) em

Através do artivismo é possível ver como o primeiro mandato avançou efetivamente em políticas públicas, além de trazer perspectiva para o jovem. Tudo começou lá atrás, quando o coletivo de Quique se deparou com um caso tradicional de tráfico de influência política que inviabilizou uma luta, mas que foi o início do entendimento da importância de ocupar as instituições com pautas populares.

“Nesse período, teve um edital, o terceiro edital dos pontos de cultura, um dos projetos mais emblemáticos da historia recente do Brasil no campo da cultura. A gente participou do edital, mas a entidade que foi contemplada na cidade era extremamente ligada a prefeitura e o ponto era no espaço da prefeitura. Chegou pra gente que foi uma indicação política e esse episódio fez com que a gente refletisse sobre a importância de alguém daquele grupo se lançar a vereador para acabar ou minimizar todos esses privilégios e o meu nome foi o escolhido.”

Enquanto parlamentar exerceu o mandato com independência e participação popular, fazendo um trabalho de fiscalização ao poder executivo, que proporcionou não só um protagonismo das agentes culturais e do esporte, mas também garantindo que a Prefeitura tivesse de atender as demandas de todas e todos da cidade e não, apenas, de um grupo restrito e específico de pessoas. 

Acesse Vereadores Que Queremos e conheça candidaturas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Marielle Ramires

O Brasil com S é maior que Bolsonaro

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?