“Goiânia precisa chegar ao século XXI. Nós somos o povo do cerrado, nós somos o povo do centro-oeste, mas nós já deveríamos estar com outra mentalidade. Acredito em outro mundo possível, em um mundo igualitário e também com liberdade.”

Fabrício Rosa é policial há 20 anos, faz parte do Conselho Nacional de Policiais Antifascistas, é professor e doutorando em Direitos Humanos, fez graduação em Serviço Público. Participa também do #SolidarizaGoiania que é um projeto que visa auxiliar famílias afetadas pela pandemia do Covid 19, é formado em Direito pela Universidade Federal de Goiás e está candidato a vereador pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Atuou, tanto na Policia Militar como na Policia Rodoviária Federal, no combate à corrupção “interna corporis”, compondo diversas comissões disciplinares. Na PRF, foi Corregedor Regional, além de ter presidido a Comissão Nacional de Ética, atuou de forma ativa no enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes, no combate ao trabalho infantil, ao trafico de pessoas e ao trabalho escravo. Desenvolveu vários projetos e ações sociais com crianças, adolescentes, idosos e pessoas em condições de vulnerabilidade. Compõe diversos fóruns e tem uma ampla participação nos espaços de luta institucionais.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Fabrício Rosa – 50123 (@fabriciorosa) em

“A política de guerra às drogas é um veículo, uma locomotiva assassina, racista, irracional, que encarcera jovens pobres que nem sempre são violentos, na verdade na maior parte das vezes não são violentos, mais de 90% das ocorrências criminais envolvendo drogas não houve violência, o jovem não estava armado e o mundo age contra uma figura que foi criada, que é a figura do traficante.”

A atuação de Fabrício traz a urgência em desenvolver um debate sensível e profundo sobre questões como as drogas, o encarceramento em massa e o genocídio da população preta e pobre, pontos importantes que afetam diretamente os nossos jovens. Para além de refletir temas ásperos e fazer a discussão necessária sobre diversos assuntos, propõe que seu mandato seja fruto de um processo coletivo, para representar os interesses da população LGBTQIAP+ na cidade de Goiana. Cidade onde não há um local de acolhida para os jovens e adolescentes que são expulsos de casa, nem há políticas públicas para discutir gênero, sexualidade, respeito, combate ao bullying nas escolas. A candidatura de Fabrício representa a ocupação do povo que precisa de vez e voz na Câmara de Vereadores de Goiânia.

Acesse Campanha LGBTQIAP+ e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil