“Mais importante do que dizer o que vai ser feito ou deixar de ser feito, é a forma como vai ser feito. E a forma de definir, de construir, de executar políticas públicas, é a forma participativa, quando a gente consegue pactuar o que vai ser realizado com o orçamento público com as pessoas, com os moradores.”

Daniel Zen quer fazer Rio Branco feliz outra vez. Deputado Estadual reeleito, se formou em Direito com mestrado e cursando doutorado, foi secretário de Cultura e Educação e ainda é músico, colunista da Mídia Ninja e professor da UFAC. Tem seus mandatos pautados pelas famílias mais carentes e a transformação social no Estado. Deixando um legado de conquistas para a juventude e as futuras gerações.

Nascido na Praça da Catedral de Rio Branco que leva o nome de seu avô Antônio Júlio, a história de Zen se confunde com a da capital do Acre. É inclusive o único candidato a prefeito nestas eleições que nasceu e vive na cidade, dialogando com o povo, vivendo a realidade acreana. Com um projeto atento à pandemia e pronto para investir em saúde e nos objetivos do desenvolvimento sustentável a partir do dia primeiro de janeiro.

Militou no movimento estudantil e foi eleito em 2014 para o mandato de Deputado Estadual com 7.499 votos, segunda maior votação nominal do pleito e terceira maior de todas as eleições acreanas. Foi também Diretor-Presidente da Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour, foi relator do Plano Estadual de Educação, presidente da Comissão de Educação e autor da Nova Lei de Gestão Democrática das Escolas Pública.

“É através da política que a gente consegue fazer as transformações que a sociedade precisa, e aí quando digo transformações eu não to falando só de intervenções de obras, de urbanização, de infraestrutura e tudo aquilo que faz o dia-a-dia de uma cidade, falo mesmo de mudanças de visão de mundo, de percepção, de compreensão da realidade, da gente trabalhar no sentido de construir uma sociedade cada vez mais respeitosa”

Daniel tem afirmado que esse projeto não se resume à cidade: “nosso projeto é de sociedade.” Não se trata, portanto, de um projeto de poder ou apenas de um Plano de Governo. É a síntese do desejo de edificação de um mundo melhor, nascendo da floresta a esperança para a democracia e a consciência para cuidar do planeta.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?