“A gente sonha com uma política diferente, uma política de encontro, de diálogo, de amor, de afeto, uma política plural que seja de fato inclusiva.” – é esse o horizonte que direciona a atuação da candidatura coletiva Bancada Plural, composta por Kênia Vertelo mulher negra, evangélica, mãe e Estudante de Pedagogia pela Universidade Pública, Filipe Gibran que é pastor evangélico, advogado, ativista dos Direitos Humanos e das causas sociais, Djenane Vera mulher preta, evangélica artista plástica, ceramista e professora da rede pública municipal e estadual e Jonatas Aredes, gay, pequeno produtor local, evangélico, formado em administração de empresas e aspirante a teólogo.

A onda conservadora e fundamentalista, que estimula uma política machista, misógina, LGBTfóbica e que não respeita a pluralidade no Brasil ganhou forma e força com o governo Bolsonaro, e essa política é refletida diretamente na cidade de Belo Horizonte. BH foi a primeira cidade a aprovar a Escola Sem Partido, a Câmara de Vereadores não tem nenhuma mulher negra e é composta basicamente por pessoas ricas que, recentemente, rejeitaram um Projeto de Lei que instituía um Dia de Combate ao Feminicídio, isso em nome de Deus e da família. Esse contexto não permite o avanço de temas sensíveis às demandas do povo pobre, pelo contrário, correspondem a lógica de interesses dos poderosos.

“Os coronéis da fé criam riquezas em cima da exploração do povo, reforçam o patriarcado, o machismo, só produzem política de morte. Esse conservadorismo e fundamentalismo não nos representa.” Djenane Vera

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por PluraL – 80123 (@pluralnarede) em

A Bancada Plural entende que é ingenuidade pensar a ideia de não existe um entrelaçamento da religião com a política no Brasil onde 80% das pessoas se definem cristãos, onde a maioria dos feriados são religiosos, mas também compreendem que é importante prezar por um Estado laico, que respeite todas as crenças e as não crenças também. Os aspectos religiosos estão absolutamente relacionados com a nossa identidade, a maneira que compreendemos o mundo, os nossos valores e a nossa cultura, mas não com o Estado, e durante o exercício da função pública o bem coletivo deve prevalecer. Pensando no fortalecimento dessa luta, que candidaturas evangélicas, progressistas e de esquerda devem ser construídas para representar de fato os interesses do povo injustiçado, que faça uma política participativa, horizontal e revolucionária.

“Para nós, ocupar uma cadeira de forma coletiva na Câmara de Belo Horizonte pela unidade popular é inovar o processo político da cidade, é mostrar uma saída horizontal e colocar os movimentos sociais, o povo humilde, o povo pobre, o povo preto, colocar de fato a base nos espaços de decisão da cidade.” Filipe Gibran

Acesse Vereadores Que Queremos e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Camarada Gringo

Os desafios de Biden com o trumpismo na oposição

Colunista NINJA

Os EUA provaram: derrotar o fascismo é possível

Fabio Py

Jovens evangélicos de esquerda: potência de novos rostos da política brasileira

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil