“Com o racismo jamais haverá democracia no nosso país e é por isso que nós somos uma geração que entende que nós temos consciência negra, que nós não inventamos a roda de forma alguma, mas que nós somos uma geração disposta a continuar essa luta tão antiga e conseguir de fato a verdadeira liberdade.” – Simone Nascimento é jornalista, feminista, anticapitalista e está candidata a vereadora em São Paulo pelo PSOL.

Moradora da periferia, faz parte do Movimento Negro Unificado (MNU) que é a entidade de movimento negro mais antiga do país e ajudou a fundar o movimento RUA – Juventude Anticapitalista, desde então vem se relacionado cada vez mais e de maneira mais intensa com as disputas políticas na cidade: “A gente muda aonde nossos pés pisam, a gente se indigna a partir da nossa realidade” diz a candidata para falar da importância da luta acontecer nos bairros, nas escolas, no trabalho e nos espaços de poder.

“Essa é uma eleição muito diferente, é uma eleição que está disputando de verdade os rumos do nosso país, os rumos de como enfrentar a extrema direita e fazer do Brasil e da cidade de São Paulo uma cidade sem desigualdade, sem machismo, sem racismo e sem violência.”


Colocando em pauta projetos que fortaleçam a cultura, que amplie a rede municipal de acolhimento das vítimas de violência doméstica e de gênero, uma renda solidária de ao menos um salário mínimo, uma reforma na Guarda Civil Metropolitana com o intuito de impedir a violência contra, principalmente, a população negra e garantindo tarifa zero nos transportes públicos, a candidata pretende construir uma cidade com justiça social e solidariedade e fazer do seu um catalisador das vozes que querem mudar a história. 

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?