“O meu maior sonho, que mais me motiva a lutar e continuar dando aula até hoje, é para que a minha história não seja uma exceção nesse país, que outras Cristianas consigam chegar aonde eu também já cheguei” – Cristiana da Silva é mulher negra, professora advogada, mestre em ciências jurídicas e sociais, ativista e está candidata à vereadora para levar pautas populares até a Câmara de Vereadores de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Ainda muito pequena já mostrava gostar do ambiente da sala de aula, morava no interior e hoje como professora a mais de 15 anos trabalhando em escolas periféricas, junto a população pobre, fala com propriedade sobre a sala de aula: “Por isso eu vivencio diariamente o quanto a falta de políticas públicas comprometem os filhos e filhas da classe operária.”. Portanto entende que a luta por uma educação de qualidade é o caminho para garantir a capacidade da trabalhadora e trabalhador se libertarem dos grilhões da exploração e construírem futuro com dignidade. O projeto de sucateamento da educação pública que o governo federal vem aplicando, de acordo com Professora Cristiana, é parte de uma agenda política para não levar o conhecimento às pessoas em condições mais vulneráveis e o enfrentamento a esses ataques deve partir desde o nível nacional ao municipal.

“Sou uma pessoa política por natureza, não sou político-partidária, mas aquela que é inerente a nossa vida em sociedade e eu acredito que possuo as credencias tanto de experiência de vida, profissional, quanto de formação para ser e fazer a diferença no cenário político local.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Cristiana da Silva (@criss_ribeiro18) em


A atuação da Professora Cristina não está apenas na força do seu discurso, mas no desenvolvimento da sua história enquanto trabalhadora do campo, atuando em defesa dos movimentos grevistas, das causas trabalhistas, compreendendo as especificidades da sua cidade e os problemas que vão além da educação e partem para a questão da moradia, do saneamento básico e da geração de renda. Garantir um mandato popular que faça a defesa institucional dos interesses do povo do campo e da cidade é garantir a possibilidade de se criar uma perspectiva para o futuro de Juiz de Fora.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?