“A nossa candidatura vai trabalhar pela geração de emprego e renda para o povo de periferia, pela luta intransigente dos direitos humanos que para nós é a base de uma sociedade mais justa e igualitária.” – Paolla Miguel é mulher, negra, cresceu na periferia de Campinas, se formou na PUC-Campinas em Engenharia da Computação e está candidata à vereadora em Campinas.

É fundadora do coletivo de mídia alternativa Bonde Mídia, que atua na região de Campinas desde 2016, e a candidata fala do quanto esse momento foi importante para sua construção política: “Com o golpe, eu tinha um canal de mídia alternativa, que era o Bonde Mídia, e a gente foi pra rua pra cobrir tudo aquilo que estava acontecendo e depois de ver toda aquela injustiça que estava sendo feita com a presidenta Dilma, eu percebi que era necessário ocupar a política.”. Foi candidata em 2018 à deputada federal e conversando com a base, fazendo uma campanha olho no olho, ainda que sem recurso, conseguiu obter uma votação de 10.500 votos.

Filha de uma professora da rede estadual de ensino, estudante de escola pública e sindicalista da APEOESP, Paolla sempre esteve próxima dos desafios que os profissionais de ensino da rede estadual paulista enfrentam todos os dias nas salas de aula: baixos salários, falta de infraestrutura e total abandono do governo estadual. Se filiou ao Partido dos Trabalhadores aos 16 anos de idade, se tornou Secretária da Juventude do PT de Campinas em 2017 e dirigente nacional do partido em 2019, esteve na linha de frente nos atos contra o golpe na presidenta Dilma em 2016. Ficou ao lado de estudantes contra o fechamento das escolas em São Paulo durante a última gestão de Geraldo Alckmin, contra a retirada dos direitos trabalhistas e da previdência golpista de Michel Temer durante o governo, como diz a candidata. Ajudou a construir grandes mobilizações em defesa da Educação em Campinas ao lado da UBES e da UPES. É militante do movimento de mulheres negras e do movimento LGBTQI+. Lutadora por um novo modelo de sociedade, baseado no cooperativismo e na sustentabilidade, defende a agroecologia como alternativa ao modelo do agronegócio que está destruindo o planeta e que gera mais desigualdade.

“A cidade de Campinas ela é extremamente desigual, se você mora na parte mais afastada da cidade, você não tem direito à educação, saúde, transporte, se você mora na periferia, se você é mais vulnerável, nada disso chega, tudo isso falta, por isso a gente precisa mudar a nossa cidade, mudar a forma que ela enxerga as populações mais vulneráveis.”


Diante da sua caminhada conseguiu reunir e acumular propostas que agora apresenta, como a Geração de Emprego e Renda para a Juventude, a Tarifa Zero, a Renda Básica Campinas, a Merenda Orgânica e a Alimentação Saudável, o combate às violências sexual e de gênero, contra o racismo e a brutalidade policial nas periferias e defesa da valorização dos professores e da educação cidadã, pública e de qualidade, por isso acredita reunir todas as qualidades necessárias para apresentar um mandato representativo, participativo e que faça a defesa necessária dos direitos humanos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?