“Uma coisa que as pessoas que as pessoas não sabem muito de mim, é que eles me juntam muito à dança, ao hip hop, e eu sou sim isso aí, mas eu também sou forró, maracatu, sou rock pesado, sou diversidade cultural de verdade, e também muita educação”. Nelson Gonçalves dos Campos Filho, o Nelson Triunfo, é um dos precursores do hip hop no Brasil, conhecido e respeitado por artistas como Emicida, Drik Barbosa e Rael, foi um dos pioneiros a usar o hip hop como ferramenta de educação e inserção social, e está candidato a vereador por Diadema porque quer melhorar a cidade.

 

Nelson é da cidade de Triunfo, em Pernambuco, que deu origem ao seu nome artístico. Aos 16 anos, foi morar sozinho em Paulo Afonso, na Bahia, onde morou por 3 anos, mesmo período em que viveu no Distrito Federal, mudando-se em 1977 para São Paulo. Na capital paulista, buscava o sonho de ser dançarino, e foi quando se tornou amigo de Tony Tornado, e gravou com Miguel de Deus uma faixa no álbum Black Soul Brothers, uma pérola do funk original brasileiro. Formou o grupo de dança Funk & Cia, tornando-se destaque nos principais bailes e festas de black no país. Em 1983, levou a dança para as ruas, onde sofreu forte repressão da polícia, que considerava sua arte um ato de subvenção e desobediência civil.

 

“Não existe nada que pode transformar mais uma nação do que a verdadeira educação, educação com qualidade. A partir desse sentido você vem com uma outra coisa junto que é a cultura, até porque as bibliotecas pertencem à cultura, os livros alimentam a educação.” Através de oficinas, palestras, debates e outras atividades com crianças e adolescentes, Nelson traz mudanças sociais e educação, com o hip hop como ferramenta. Em 2006, representou o Brasil na Copa da Cultura, em Berlim, Alemanha, e em 2008 recebeu a comenda da Ordem do Mérito Cultural, pelo Ministério da Cultura. 


Nelson Triunfo acredita na mudança pela educação aliada à cultura, e quer trazer para a população de Diadema políticas públicas que permitam essa transformação, que pensem na população preta, pobre, crianças e adolescentes, e para isso está candidato a vereador na cidade.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil