“Quando nós ocuparmos a Câmara Municipal uma das nossas principais funções é reconquistar a população para a política, há um trabalho sistemático de afastamento da população dos espaços de decisão e de poder.” – Michelle Andrews tem uma década de atuação como produtora cultural, é feminista, defensora dos direitos humanos e está candidata à vereadora representando a Bancada Coletiva, uma proposta de mandato feminino, plural e representativo.

A Bancada Coletiva quer ocupar a política institucional na Câmara Municipal de Manaus, é composta por mulheres com atuação em diversas causas sociais, econômicas, políticas e ambientais. Assim, a bancada tem integrantes engajadas em direitos das mulheres, feminismo, saúde, educação, cultura, maternidade, meio ambiente e antiproibicionismo, entre outras importantes questões para o povo da capital amazonense.

Para fundamentar a ideia de participação a candidatura tem como co-candidatas, além da Michelle enquanto representante: Alessandra Silva que é estudante de Direito e ativista materna, que já na adolescência iniciou seu trabalho em movimentos de rua, nos movimentos estudantis e ONGs que lutam contra a violência obstétrica. Patrícia Andrade é uma mulher negra, mãe e líder comunitária há mais de 20 anos. Nicole Fernandes é assistente social, iniciou o  seu ativismo no movimento estudantil e hoje participa dos movimentos feminista e negro da cidade. Silvia Silvitcha é filósofa por formação, graduanda em Ciências Sociais na Universidade Federal do Amazonas (UFAM), mulher bissexual, ativista pela educação acolhedora e que realmente transforme a vida das pessoas.

“A nossa política de identidade também tem que estar presente, não é só aquela coisa higienizada, o filhinho de papai, eu acho que tem que ter mais a cara do povo na Câmara Municipal” – Michelle Andrews

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Michelle da Bancada Coletiva (@mi_andrews) em


A Bancada Coletiva propõe uma atuação política que pautará a igualdade e a deliberação conjunta entre as co-vereadoras, o diálogo constante com a comunidade e construir uma ferramenta de luta em defesa do povo da periferia, da comunidade LGBQIAP+ e das mulheres. Diante de propostas construídas de forma coletiva com a sociedade, que abrangem áreas como a busca por uma educação libertadora, saúde básica universal, a cultura como instrumento de transformação, uma assistência social que proteja, uma segurança pública que valorize a vida de todos, o cuidado com o Meio Ambiente, e uma mobilidade e bem-estar das pessoas, Michelle Andrews e a Bancada Coletiva querem mudar a forma de fazer política em Manaus, sempre fiscalizando e fazendo com que os recursos da cidade sirva para todos e não apenas um grupo privilegiado de pessoas.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil