“Sabemos que a eleição não se faz só no voto, a democracia é um processo contínuo e cotidiano, que necessita da participação das pessoas para funcionar e nós, precisamos mais do que nunca, lutar por essa democracia que está correndo grave risco e a eleição é uma forma efetiva de fazer isso.”. – Karol Cerqueira é negra, advogada, ativista LGBTQIAP+, defensora dos direitos humanos e está candidata a vereadora em Petrópolis.

Sua história é marcadas por grandes desafios desde o seu primeiro momento de vida, filha de uma mulher negra, da periferia, Karol narra como nasceu não para comover as pessoas, mas para mostrar que a resistência, a força e a solidariedade sempre fizeram parte da sua caminhada desde o nascimento até hoje: “ela (mãe) vai até Duque de Caxias saber sobre um terreno, opta por não usar a passarela porque já estava grávida de oito meses, com as pernas doendo e com o peso do corpo, ela vai pela estrada e é atropelada por dois carros e os carros dilaceram a barriga dela e eu sou expelida no asfalto e conto com a solidariedade das pessoas que estavam passando no momento.”. A vida não poupou apresentar dificuldades no decorrer da sua vida enquanto mulher, negra, da periferia, mas todos esses acontecimentos não foram suficientes para desestimular sua luta por mais dignidade e esperança para todos. Como disse Marielle Franco: “As rosas da resistência nascem do asfalto.”.

“Meu nascimento se coloca nesse momento de resistência, a vitória sobre a violência, é uma questão de sobreviver a qualquer custo numa situação colocada para você no primeiro sopro de vida.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Karol Cerqueira 40777 (@karolvcerqueira_40777) em


Enquanto defensora dos direitos humanos, raciais e de gênero Karol acredita que para as mulheres, pretas e periféricas a política não é apenas uma escolha, mas uma condição para  vivermos num mundo com dignidade e assim pretende fazer do mandato um instrumento de aproximação entre a sociedade e as decisões importantes que são definidas e discutidas na Câmara de Vereadores. Suas propostas giram em torno principalmente da educação, como por exemplo, a garantia de uma educação integral para todos em todo o município, a fiscalização do ensino da historia afro-brasileira e indígena nas escolas públicas e particulares da cidade, a luta pela universalização de vagas em creches para crianças de 0 a 3 anos. Mas para além dessa luta, entende também a necessidade de fazer uma política de forma diferente, descentralizada, participativa e que garanta a defesa dos interesses da classe trabalhadora, pautando uma educação pública de qualidade, direito a moradia e trazendo o protagonismo que o povo negro precisa nesse momento histórico que o Brasil vive para resistir e existir.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil