Há anos o Rio sofre com prefeitos cassados, escândalos de corrupção e o descaso com a população. Polícia perseguindo moradores, mulheres, pretos, favelados e LGBTQIAP+, uma verdadeira necropolítica que precisa acabar. Agora o povo tem a chance de escolher Benedita da Silva, deputada federal pelo quinto mandado, um sendo constituinte, já foi vereadora, senadora e ministra do Trabalho e Assistência Social. Primeira governadora negra do Brasil, foi dela a ação no Supremo Tribunal Federal (STF) que garantiu a proporcionalidade na distribuição de recursos do fundo partidário para candidaturas negras nas eleições municipais. A candidatura antirracista e que representa a periferia.

Mulher de garra, acostumada a dar a volta por cima, Benedita é uma das figuras políticas mais importantes da atualidade. Vestiu uniforme e subiu na tribuna da Câmara para garantir o direito das domésticas, esteve ao lado da democracia em momentos decisivos da República e sempre ao lado do povo nas votações contra as reformas da previdência e trabalhista. É ainda a criadora do Vale Cultura para o trabalhador e autora da Lei Aldir Blanc que destina recursos para trabalhadores da cultura durante a pandemia.

Assumidamente feminista, Bené é evangélica e faz questão de convergir sua fé com a política, sempre atenta ao fator social e de desenvolvimento humano. Atuante na luta contra o tráfico e o extermínio de crianças e adolescentes, atenta às condições de mães detentas, tem sua trajetória na Câmara dos Deputados marcada pela defesa das mulheres, com proposições aprovadas no currículo que combatem o machismo, a violência doméstica e o feminicídio. Também criou delegacias especiais para apurar crimes raciais, cota mínima em instituições de ensino superior, obrigatoriedade do quesito etnia em documentos oficiais, assinou a lei contra o assédio e a favor dos direitos trabalhistas extensivos às empregadas domésticas.

Em suas propostas para o mandato está o Plano Emergêncial para o Rio com reorientação da gestão municipal, programa emergencial de empregos, renda mínima para famílias de baixa renda, programa de segurança alimentar e albergues. Propõe uma atuação do poder público municipal radicalmente diversa. Implementando uma gestão municipal que, com diálogo e ampla participação das organizações, lideranças e população negra, terá como base uma agenda de políticas e ações afirmativas, de redução das graves desigualdades raciais na cidade do Rio de Janeiro e de combate ao racismo estrutural em toda a sociedade. Uma agenda que articulará e orientará as diversas políticas para a promoção da equidade e superação de todas as formas de discriminação racial.

Acesse Pretas e Pretos no Poder e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?