A Câmara de São Paulo continua naquele cenário velho, branco e hétero de sempre. Nenhuma mulher negra, nenhuma mulher trans. Quarenta por cento são milionários. E as leis refletem esse jogo de interesses da péssima política. A Bancada Feminista, formada por Silvia Ferraro, Paula Nunes, Carolina Iara, Dafne Sena e Natalia Chaves, trabalha para mudar essa realidade e levar pautas da periferia, de negritudes, de trans e LGBTQIAP+, da saúde da mulher, do veganismo popular e do ecossocialismo.

Pensar em ocupar a Câmara de forma coletiva é pensar como questionar o modelo iconoclasta, messiânico e personalista de fazer politica. Juntar cinco mulheres, de diferentes regiões da capital, representando movimentos sociais e a população excluída hackeia o sistema. Propondo o feminismo como única saída para repensarmos os efeitos devastadores de nossa cultura machista e patriarcal.

“O movimento feminista é isso, somos muitas, representamos diversas pautas e pautas concretas. Tem um lema do feminismo que é ‘A gente anda melhor quando a gente anda juntas’, é muito mais gostoso, faz mais sentido e tem muito mais significado para aquilo que defendemos estar numa bancada e não sozinhas.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Bancada Feminista PSOL 50900 (@bancadafeministapsol) em

O principal desafio da Bancada Feminista é promover mobilização social num ambiente tão elitista e segregado como a CMSP. Mais representatividade feminina significa devolver ao povo nossa casa, não apenas criando representações de minorias, periferias e outras comunidades, mas fazendo política no cotidiano, neste caso, multiplicada por cinco. “Para que movimentos sociais tenham espaço e sejam bem recebidos, não com bala de borracha, mas de braços e portas abertas.”

A candidata Silvia Ferraro é professora da rede municipal de São Paulo, feminista e mãe da Vitória que a acompanha em todas as lutas. As co-candidatas são Paula Nunes, advogada criminalista, defensora de direitos humanos e ativista do movimento negro. Natalia Chaves, tradutora, nasceu e foi criada na periferia da Zona Leste, militante ecossocialista por um veganismo popular. Caroline Iara, travesti intersexo negra, vive com HIV há 6 anos, trabalha na saude público como servidora e Dafne Sena militante ecossocialista, formada em direito, presta serviço via aplicativo e é vegana por um veganismo popular

Além da legislação e fiscalização, papeis fundamentais da vereança, a Bancada tem foco central na mobilização social. Fazendo o parlamento cumprir o seu papel, trazendo temas e pessoas antes marginalizadas para o centro do debate público, aumentando a frequência e a participação popular na casa do povo.

E como funciona essa mandata coletiva?

“Cada uma de nós trabalhando com as pautas, demandas muito ligadas à luta dos movimentos sociais da cidade de São Paulo. Aprofundar esse vinculo com o povo, com cada pauta, com cada luta, a gente se coloca como mulheres de todas as lutas.”

Acesse a Campanha de Mulher e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil