Professora e mãe,  feminista e socialista, a candidata de Fortaleza Anna Karina é mulher de pulso. Já disputou Senado e fala abertamente sobre a descriminalização da maconha. Sua principal frente de trabalho é a educação. Como professora da rede pública defende a democratização do acesso à educação de qualidade, a começar pelas creches em tempo integral para todas as crianças da capital cearense.

O Ceará ocupa hoje o péssimo posto de segundo estado do país com maior número de feminicídios, com mulheres pretas, pobres e das periferias sendo as principais vítimas. Por isso lutar por políticas públicas de segurança, saúde, emprego, renda e proteção social que garantam à mulher o pleno direito sobre sua vida e seu corpo deve ser prioridade e uma cultura a ser ampliada.

“Só pra se ter uma ideia, aqui temos uma Câmara com 43 cadeiras onde apenas 6 são mulheres. É muito pouco pra representar a maioria. A cidade voltada para as mulheres é uma cidade voltada para o cuidado, onde a mulher possa andar na rua sem medo de ser estuprada ou violentada. “

Lembrando o nome de Fortaleza, sinônimo feminino, tanto no gênero quanto em seu atributo. Com maioria da população sendo mãe e trabalhadora, essa representatividade tem de refletir explicitamente no Poder Legislativo, reduzindo a diferença com homens. E Anna Karina aposta no cuidado como política pública para transformar a realidade a partir das periferias.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Feliz dia das crianças e que o futuro seja feminista! #diadascrianças #12deoutubro #TôComKarina #AnnaKarina50505 #PSOL #fortaleza #eleicoes2020

Uma publicação compartilhada por Anna Karina PSOL 50505 💪 (@annakarinapsol) em

O feminismo é além de sua luta a forma como encara e vê o mundo, pensando sempre numa mandata que privilegie a maior parte da população em detrimento das elites. Em sua visão é possível ver os sintomas do perfil dos governantes e legisladores no cotidiano da cidade. Um pensamento machista de muito asfalto, muito carro, muita violência, defendendo mais armas.

“Estamos cansadas de ver cidades governadas por homens podres de ricos,  se utilizando da política pra ficarem cada vez mais ricos.”

A tônica de sua campanha é a esperança. Apesar da atual conjuntura Anna contradita fascistas e anti-democráticos num levante feminista em Fortaleza. Sua intenção é mostrar para as pessoas que é possível mudar. “As urnas não definem tudo. As ruas estão fazendo a diferença”, pontua ao comentar sobre o último resultado eleitoral, quando as urnas interromperam um projeto de país para todes.

“Fortaleza tem muito mais que 10 mil mulheres feministas e homens que apoiam. Vamos mostrar isso nas urnas com muita força.”

Acesse Campanha de Mulher e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Tatiana Barros

Novos tempos exigem novos palcos

Márcio Santilli

CPI da pandemia acelera declínio de Bolsonaro

Renata Souza

13 de abril: dia de celebração e luta para as mulheres do samba

Estudantes NINJA

Governo Bolsonaro: desrespeito ao Enem, à Educação e ao Futuro

Boaventura de Sousa Santos

A claridade e a escuridão

Álamo Facó

O indígena e a máquina do tempo

Liana Cirne Lins

O julgamento de Lula no STF: é cedo para comemorar?

Fabrício Noronha

Quem sabe do futuro da cultura brasileira?

Lais Gomes

Se é reversível, se joga!

Fabio Py

‘Flores nas encostas de cimento’: o silenciamento e a tomada dos crentes de esquerda na política

Movimento dos Pequenos Agricultores

Movimento dos Pequenos Agricultores no RJ lança novo site para ampliar a comercialização de alimentos agroecológicos

Isabella Queiroz

Ser maker não está à venda

Colunista NINJA

Reviravoltas andinas: eleições no Peru e Equador

Bancada Feminista do PSOL

100 dias de Covas em SP

Amanda Pellini

O que a ciência faz para confiarmos nela?