“Fazer com que essa luta que vem dessa galera que veio antes de mim, que são meus ancestrais, ela repercute no meu corpo e faz com que eu lute para quem venha depois de mim.”

Andrea Bak tem 20 anos, é escritora, poeta, atriz, rapper e está candidata à vereadora no Rio de Janeiro pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Sua trajetória tem início no Movimento Estudantil, defendendo uma educação pública de qualidade para todas e todos, desde sempre marcada pelo ativismo nos movimentos sociais, fortificado pelas pautas raciais, de gênero e LGBTQIAP+, e também na literatura e nos movimentos de Sarau Poético. Além de ser comprometida em desenvolver sempre um diálogo franco com a periferia, compreende a importância de se fazer uma política horizontal onde as mulheres e a juventude se sintam representados.

“Eu estou vindo como candidata à vereadora pelo PSOL carioca para potencializar meu ativismo, fazer com que tudo isso que eu luto tenha uma estrutura institucional para fazer valer o que a gente questiona e o que a gente quer como mudança nessa cidade.”

O  protagonismo que a candidatura de Bak defende não acontece apenas nas ruas, nos espaços de lazer ou em casa, mas também, e principalmente, na luta institucional. É lá que a vida do trabalhador é discutida e definida. O protagonismo de luta do povo preto e favelado, que é vítima neste exato momento, é fundamental. Diante desse cenário, eleger candidaturas jovens e revolucionárias é o caminho para restaurar e fortalecer a democracia.

Acesse Pretas e Pretos no Poder e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Camarada Gringo

Os desafios de Biden com o trumpismo na oposição

Colunista NINJA

Os EUA provaram: derrotar o fascismo é possível

Fabio Py

Jovens evangélicos de esquerda: potência de novos rostos da política brasileira

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil