A soma das lutas feministas, por direitos e por mobilidade, compõem a candidatura de Amanda Gondim para vereadora em Uberlândia. Advogada formada pela UFU, fundadora do Todas Por Ela, projeto que oferece assessoria jurídica gratuita a mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, ela ainda trabalha cotidianamente para reduzir as barreiras de mobilidade para pessoas com deficiência. Pensando na mulher de forma ampla construindo a sociedade, não apenas por serem mais da metade da população, mas por enfrentarem todos os dias cidades feitas por homens para homens, numa lógica que privilegia carros e empresas ao invés de pessoas e comunidades.

Entendendo a política como um espaço do comum, com ações que são construídas no cotidiano, sabe a importância da defesa da justiça social e de se construir uma cidade baseada nas vivências, na produção, ocupação e com políticas intersetoriais para as mulheres. Pensando na mulher no mercado de trabalho, no aspecto da saúde básica, no atendimento e acolhimento da mulher em situação de violência doméstica e de gênero. Em sua luta PCD, como uma pessoa com baixa visão, encontrou forças para a militância.

“Não há nada de errado em ser uma pessoa com deficiência. Esse espaço que a gente ocupa na sociedade, ele é nosso. Nós somos 25% da população, a gente existe. É necessário estejamos no debate político institucional e que a gente qualifique esse espaço. Porque se esse espaço não for ocupado por nós, ele será ocupado por outras pessoas que não vão defender nossos interesses, os interesses da população.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Amanda Gondim 12.102 (@amandagondimudi) em

As mulheres são a base da economia do país. E as mulheres negras são essa base. As cidades são espaços violentos para as mulheres. É preciso pensar na redução das violências, com programas que fomentem cultura, lazer e também permitam acesso às pessoas, às experiências urbanas. Pensando prioritariamente nas expressões de comunidades locais e bairros. E sobretudo na segurança das mulheres.

“Ser mulher, ser mulher lésbica e ser uma mulher com baixa visão é enfrentar todos os desafios de violência diariamente. “

Acesse Campanha de Mulher e conheça candidatas incríveis em todo o Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Tatiana Barros

Novos tempos exigem novos palcos

Márcio Santilli

CPI da pandemia acelera declínio de Bolsonaro

Renata Souza

13 de abril: dia de celebração e luta para as mulheres do samba

Estudantes NINJA

Governo Bolsonaro: desrespeito ao Enem, à Educação e ao Futuro

Boaventura de Sousa Santos

A claridade e a escuridão

Álamo Facó

O indígena e a máquina do tempo

Liana Cirne Lins

O julgamento de Lula no STF: é cedo para comemorar?

Fabrício Noronha

Quem sabe do futuro da cultura brasileira?

Lais Gomes

Se é reversível, se joga!

Fabio Py

‘Flores nas encostas de cimento’: o silenciamento e a tomada dos crentes de esquerda na política

Movimento dos Pequenos Agricultores

Movimento dos Pequenos Agricultores no RJ lança novo site para ampliar a comercialização de alimentos agroecológicos

Isabella Queiroz

Ser maker não está à venda

Colunista NINJA

Reviravoltas andinas: eleições no Peru e Equador

Bancada Feminista do PSOL

100 dias de Covas em SP

Amanda Pellini

O que a ciência faz para confiarmos nela?