Foto: arquivo pessoal

Texto da TransPoeta Yemanjá Velulma para a coluna do Movimento Artístico Poético Nacional TransPoetas

Como entramos no mês da consciência negra e da memória transgênera (TDoR), ambas as datas marcadas pelo dia 20 de novembro, e como ocupo esses dois lugares de fala, acho pertinente falar um pouco sobre como eu me sinto.

O primeiro de tudo é pensar que nossa formação de beleza e elogios feita pra nós mesmes é muito mais difícil, já que desde a infância somos bombardeados por ações que, ou fazem com que mudemos nossa aparência para sermos o menos negre possível, ou nos fazem crer que nunca seremos bonites ou bons o suficiente para recebermos afetos e bons comentários, o que nos faz crescer com uma possível série de problemas de autoestima, coisas com que pessoas brancas cisgêneras não foram afetadas em sua infância e adolescência. Contudo, buscamos força em nossos diversos coletivos, o que nos fortalece para encararmos as inúmeras e imprevisíveis provas que nos aparecem durante o dia a dia.

Por mais que seja um pensamento bem comum entre pessoas não-negras, nossa vivência não é só sobre racismo e transfobia, nós falamos de amor, desejos e sonhos, temos passado, presente e futuro, e cada dia que passa, nós ocupamos ainda mais os lugares que foram tão negados a nós, faculdades, escolas, palcos, tribunais, hospitais, todos esses e mais os outros estarão cada vez mais cheio dos nossos em suas maiores e melhores posições, pois quanto mais alto gritamos, mais alto nos ouvimos e respondemos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil