Foto: arquivo pessoal

Polerito foi uma criança muito curiosa, desde os 3 anos já gostava de desenhar copiava todo desenho que via, sempre apaixonado por Michael Jackson.

“Eu fazia imitações do MJ quando criança, lembro uma vez quando estava em excursão para o Zoológico, devia ter por volta dos meus 7 anos e vi uma barraca de camelô que vendia fotos, vi a foto do MJ e quis comprar, o vendedor disse que eu deveria levar a da Madonna, mas eu levei a do MJ”

Era uma criança que amava aprender mágicas e quando ganhou um jogo de mágica passou a fazer apresentações para a família. Tinha um perfil de professor pardal porque quebrava muitos brinquedos abrindo eles pra ver como funcionava, ou tentava criar um brinquedo. Um sonho? Era ser algum tipo de inventor, trabalhar com mecanismos.

Sempre estudou em escola pública, os cadernos tinham mais desenhos que as próprias matérias e uma uma pasta de advertências com 3 a 4 folhas frente e verso. E era por isso que muitas vezes ficava de fora das excursões como castigo, entre as coisas que aprontava, como subir no teto da escola, trancar professor e aluno na sala de aula, botar fogo no chão de taco da oficina com um pirógrafo, desenhar os professores na lousa…

Foi crescendo se se reconhecendo como um rebelde, não conseguia se encaixar nos grupinhos, não gostava das mesmas coisas que os amigos e não tinha alguém de confiança para se abrir. Nessa fase louca de atitudes violentas e brigas dentro de casa, acabou sendo expulso, ficando cada vez cada vez mais egoísta e depressivo.

Tentou tirar a vida e na terceira tentativa sem sucesso, resolveu que se ia viver, não poderia viver do jeito que estava, então resolveu mudar drasticamente a maneira de se comportar, começou a mudar os pensamentos, doou tudo que tinha de brinquedos para os irmãos e começou um processo de mudança com seus pais.

A música foi a base de toda a sua carreira artística e para se dedicar a música, teve que arrumar um trabalho que desse um tempo livre para pagar as contas sem parar as aulas. 

Foi motoboy e auxiliar de contabilidade. Aprendeu a tocar flauta, violão, guitarra, piano e numa dessas inquietudes, descobriu a Flauta Humana como parceira da época e por ser tão talentoso seguiu conselhos de se inscrever no “SE VIRA NOS 30” do DOMINGÃO DO FAUSTÃO e foi nessa brincadeira que participou de 3 edições do SE VIRA NOS 30 e de outros programas de TV no SBT, Record, Band e no Domingo Legal chegou a fazer a flauta humana na Elen Ganzarolli.

Por ser multi instrumentista, foi chamado pra trabalhar numa cia teatral, era uma companhia circense (Cia teatral Rick e Kelly), então os músicos também se maquiavam, no fim de um dos espetáculo, em MG, uma criança o viu maquiado e pediu para o Polerito fazer uma “graça”…

“Aquilo me deu um tilt e eu respondi que não era palhaço, nisso ela riu e disse que eu era muito engraçado, aquilo mexeu demais comigo, ficou ecoando na minha cabeça, então resolvi descobrir o que era ser palhaço.”

Bem na época, uma atriz brasileira do Cirque Du Soleil tinha acabado de chegar no Brasil e abriu a turma de palhaço, foi seu primeiro curso. Mas foi em um retiro para palhaços que entendeu algo muito importante:

“A principal lição que aprendi como palhaço é que o palhaço não desiste, ele leva os problemas de forma leve, não se afetando negativamente por eles e isso virou minha filosofia de vida. E se eu queria mudar o mundo, eu teria que começar com minha família.”

Paul Zanon é um grande pesquisador sobre a linguagem do palhaço e mímica. Fez vários cursos com grandes mestres, inclusive internacionais, tudo com dinheiro de recreador de eventos e dos trabalhos de motoboy. Seu primeiro salário como artista foi para a CIA de teatro chamada Teatro de Tábuas e viajou por 20 Estados do Brasil, com o espetáculo Auto de Natal 2010.

O legal era que a trupe formada por 30 artistas, viajavam em um microônibus, 1 van com os técnicos da peça, 2 carretas, sendo que uma delas se transformava num barco que era o palco da peça e a outra tinha toda parte técnica, som, figurinos, adereços.

“Numa das Cidades, Pontes e Lacerda- MT, a carreta com os equipamentos quebrou e não ia conseguir chegar a tempo do espetáculo, então o pessoal da produção me ligou no hotel e pediu pra ir mais cedo para a área de apresentação, me explicaram o problema e perguntaram se eu não poderia fazer uma apresentação com outro ator para entreter o público que viria pra peça e avisar que a peça de verdade seria no dia seguinte, foi aí que no improviso fizemos cenas clássicas de palhaço, sem maquiagem, sem figurino, eu e Rubinho Louzada, manipulador de Bonecos da Cia Bonecos Urbanos e do programa de Tv Cocoricó, apresentamos para aproximadamente 2000 pessoas”

Depois disso foi convidado para trabalhar em SP no mundo dos bonecos e confecções, usando materiais reutilizáveis e de espuma. Para ficar em SP e conseguir o primeiro registro na carteira, trabalhou como professor de mímica para surdos.

“Foi onde comecei a me interessar por um público mais carente, mesmo assim não conseguia me manter em SP e fazer os bonecos de material reutilizável foi uma das idéias para complementar a renda, peguei meu primeiro trabalho para uma companhia onde o que recebi só deu para comprar materiais e ferramentas para os próximos trabalhos, foram bonecos bem simples, de papel, jornal, pet. Precisei estudar muito e praticar mais e fazer bonecos de espuma velhas que conseguia nas tapeçarias”

A impressão 3D

Para fazer um boneco, tem o processo na modelagem na massa, do molde negativo de silicone, depois tirar a peça em resina ou fibra de vidro, para depois lixar e dar o acabamento. Quando descobriu a impressão 3D, viu que conseguiria modelar no computador e depois mandar para um programa preparar a impressão e enquanto a máquina imprimia parte do boneco, trabalhava a modelagem de outra parte, economizando o tempo do molde e outros processos manuais.

O trabalho do artista passou a ser visto por muitas pessoas. Na parte de Tv por exemplo, gravei os últimos meses do Que Monstro te Mordeu de Cao Hamburguer, junto com manipuladores dos bonecos do Cocoricó, Castelo Ra tim Bum, Vl Sésamo, manipulou também um feto para o filme do Danilo Gentili, acabou fazendo dragões para peças de teatro em que o ator manipulava dentro deles, um de até 9m de comprimento, fez a manutenção das marionetes da Paola Carosella, (no mesmo ano da morte do David Bowie, deu de presente uma máscara para ela, que gostava muito do cantor). Fez uma escultura para o Zeca Baleiro, manipulou um Feto no filme do Danilo Gentili, fez duas cartolas para o vocalista Fernando Anitelli, um boneco de 4m de altura e um de aproximadamente 50 cm para o show novo deles.

Fez também 3 bonecos de ventríloquos para um dos mais famosos ventriloquistas do Brasil, Yakko Sideratos, sendo um deles a boneca da Dercy Gonçalves, toda feita na impressão 3d, com mecanismos de olhos e boca.

Polerito também investiu 7 mil reais em um cosplay do personagem do Game Of Thrones, o Rei da Noite, com a máscara de silicone e armadura com termoplástico importado, e com esse trabalho chamou a atenção de muita gente na CCXP e até o próprio pessoal da HBO achava que ele fazia parte da equipe!

“Eu estava sempre rodeado de pessoas que queriam tirar foto, até que em um momento o pessoal começou a se afastar de mim e ir para outro lado, quando vejo, uma multidão de pessoas ao redor do Jovem Nerd e Azaghal, fiquei paralisado quando vi eles ao vivo, nisso como um faixo de luz me iluminando, o Azaghal me vê e fica incrédulo e me chama para gravar com eles o Nerd Ofice”

“Criar esse cosplay foi grito de liberdade, fazer algo que eu realmente queria, foram horas de modelagem na escultura, curtindo cada processo, aprendendo e errando, foram 2 esculturas do rosto que resultaram em 4 máscaras de silicone, cada uma com um aperfeiçoamento, seja técnico ou estético, (a última máscara foi feita durante a pandemia) na época da última temporada, a HBO foi em casa me entrevistar, falar do meu trabalho,fui contratado para mais de 30 eventos, o que me possibilitou guardar uma grana para os projetos futuros, que era tirar minha cidadania italiana e investir em arte fora do Brasil, sonho que consegui realizar em setembro do ano passado!”

Desmontou todo o atelier em SP, vendeu materiais, ferramentas, móveis e partiu para Itália. Lá participou de uma das maiores Comic Cons do mundo, a Lucca Comics e foi chamado para desfilar com vários outros cosplayers de Game Of Thrones.

“Fiz um curso em Roma com uma das maiores companhias de máscara da atualidade Familie Flöz de Berlim, onde comecei a fazer os contatos profissionais que eu queria, mas um dos meus maiores sonhos estava para se realizar. Vi que teria apresentação do James Thierrée, neto de Charles CHaplin em Milão, fui ver para comprar o ingresso e tinha um lugar vazio bem em frente ao palco, quando aprovou minha compra, eu comecei a chorar de emoção, minha cabeça já começou a maquinar como faria para falar com ele e meio veio a idéia de fazer uma miniatura de um personagem que ele fez num filme, para ter uma desculpa de vê-lo e presenteá-lo, eu tinha horário certo para pegar o trem de volta pra minha cidade, acabei tendo que esperar 2 horas depois do espetáculo dele, perdi o trem, tive que procurar um hostel pra dormir, mas encontrei com ele,eu estava extremamente emocionado, misturando italiano com inglês, mas foi um dos dias mais emocionantes da minha vida!”

A Ideia de fazer Streaming 

Polerito conseguiu tirar cidadania italiana e fez bastante contato artístico. Só voltou ao Brasil para trabalhar em um musical de “Charlie a Fantástica Fábrica de Chocolate” ao lado de Luana Oliveira e Juliana Magalhães.

Juntos Fizeram 20 bonecos dos Oompa Loompas, estávamos para apresentar o Ensaio aberto ao público e imprensa, quando foi decretada a quarentena.

“A Itália não estava mais recebendo voos e tive que mudar minha passagem fui ficando sem previsão de volta, sem trabalho, pois os grupos teatrais já não contavam com minha presença, muitos também cancelaram suas produções, no começo da pandemia aproveitar para estudar muita coisa que queria, ler, mas logo fui ficando desanimado, começou a bater uma depressão por não ter um objetivo palpável…foi então que passei a observar as lives feitas na twitch, basicamente fiquei uns dois meses acompanhando os canais até criar o meu próprio canal.”

O intuito das lives seriam apenas compartilhar suas criações, ensinar pessoas que não tem acesso a cursos e falar das experiências profissionais.

A Twitch TV é uma plataforma majoritariamente de games, mas em seu canal, Polerito começou a divulgar e dar espaço para outros artistas, aumentando sua motivação e muitos apoios na plataforma para compra de equipamentos para melhorar a qualidade das lives.

Em seu canal https://www.instagram.com/polerito_arts/ ele mostra todo o seu processo criativo do início ao fim; 

Por exemplo um desses trabalhos, foi a confecção de um gato todo modelado no 3D, impresso e com acabamento de pelúcia para o projeto infantil Partimpim de Adriana Calcanhotto, ao qual ele também faz a manipulação de bonecos.

Atualmente está com um curso aberto!

Arte: Divulgação

“Para o futuro, eu pretendo voltar para a Itália, para fortalecer o idioma e aprender mais história da arte e mostrar meu trabalho lá,percebi que a parte tecnológica lá não é tão explorada, acredito será uma boa troca no meu trabalho. Pretendo mostrar a minha metodologia de atuação e preparação de ator que mistura palhaço, mímica e música dando workshops por lá, continuar com meus clientes no Brasil,vir para cá para trabalhos exclusivos, mas continuarei dando minha assessoria online e fazendo minhas lives mostrando as novidades e como será essa trajetória por lá”. 

Atualmente seus serviços têm sido de preparador de elenco, diretor, consultor online e encomendas de bonecos ou máscaras exclusivas.

Pra quem se interessar, pode entrar em contato com ele pelo instagram @polerito_arts ou pelo e-mail [email protected]

Siga Polerito nas redes sociais:

twitch.tv/polerito_arts
instagram.com/polerito_arts
youtube.com/poleritoarts
facebook.com/polerito

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

História Oral

Censura e perseguição contra Educadores

Ivana Bentes

Karol Conká não é Odete Roitman

transpoetas

Caminhadas marginais: 20 de fevereiro e a luta de corpos transmasculinos

Cleidiana Ramos

Torço para descobrirmos a força da gargalhada

Márcio Santilli

Viva o Museu Vivo dos povos tradicionais de Minas Gerais

Bruno Ramos

Salvador da Rima, a truculência da PM e os desafios do Funk

Álamo Facó

A fundação do Rio e o início do fim

Renata Souza

Epidemia de feminicídios: as mulheres querem viver, não sobreviver!

Juca Ferreira

Até quando a morte e seus adeptos darão as cartas no Brasil?

História Oral

Por que o sistema financeiro quer a autonomia do Banco Central?

Márcio Santilli

Titulação de quilombos repara injustiças e reconstrói relações

Daniele Apone

Que tal a gente desaglomerar de vez?

Márcio Santilli

Com as próprias mãos: reflorestando a Asa Norte

Bancada Feminista do PSOL

Por que a renda emergencial é tarefa do feminismo popular?