Por todo o país, norte a sul, leste a oeste, o barulho das panelas, apitos e os gritos de Fora Bolsonaro e Acabou Bolsonaro, na noite de terça-feira, 18/03, são a prova de que a maioria da população brasileira já não desconhece a incompetência e incapacidade deste governo conduzir minimamente o país, diante de tantos e complexos desafios.

A negligência com a saúde pública foi o estopim para o entendimento que tardava. Ninguém quer um governante que demonstra de forma tão virulenta o desprezo pela vida e pelo ser humano, como o presidente tem demonstrado reiteradamente.

O mito do bolsonarismo foi todo construído em cima de mentiras e do sentimento de ódio. Em mais de 30 anos de mandatos parlamentares, Bolsonaro nunca construiu um projeto político coletivo, e apenas orquestrou os seus interesses particulares e corporativos. Elegeu filhos, apadrinhou e deu suporte a milicianos e funcionários fantasmas, propagou um discurso autoritário, que era visto como folclórico até o ano de 2016, por boa parte da imprensa e pelos políticos.

Bolsonaro, inclusive, nunca teria alçado vôos mais altos caso não tivesse contado com a irresponsabilidade e mal caratismo de políticos como Aécio Neves e Eduardo Cunha, que por vaidades e interesses menores, romperam a ordem democrática, arquitetando um golpe parlamentar contra a presidenta Dilma Rousseff. Hoje, Eduardo Cunha encontra-se preso e Aécio Neves responde a dezenas de acusações criminais, e se esconde por meio da imunidade de um mandato de deputado federal conseguido em 2018, de forma humilhante.

A partir da ruptura institucional de 2016, Bolsonaro surfou na onda anti-sistêmica, abusou de artifícios pouco republicanos na campanha, espalhando notícias falsas, patrocinado com recursos financeiros de uma parte do empresariado brasileiro, que se colocou a serviço de um projeto nitidamente autoritário, descompromissado com os interesses nacionais, e necessidades da maioria da população.

Assim, empurrado pela força do antipetismo, tão propagado pela imprensa corporativa, ungido pelo episódio da facada em Juiz de Fora – vitimizado e retirado oportunamente dos debates eleitorais -, o MITO se consolida e vence as eleições. A partir da vitória, movido pela vaidade e a agigantado por uma onda de mentiras, Bolsonaro acreditou que poderia governar com bravatas e piadinhas de mal gosto, emprestando o seu discurso e as suas práticas para alimentar esta base recém construída, que parecia satisfeita com as alegorias e atitudes nonsense do mandatário. Mas o mito esqueceu que em política as coisas podem mudar rapidamente. E mudaram…

Cercado personagens tão caricatos quanto ele, signatários de propostas políticas questionáveis, quando não estapafúrdias, o presidente eleito em 2018 acreditou que poderia se valer da mentira e falácia do neoliberalismo de Paulo Guedes, intitulado por ele (ou o próprio Bolsonaro?) como “Posto Ipiranga”. Aos péssimos resultados do primeiro ano de governo, em que pese a Reforma da Previdência que, por fim, não gerou emprego nem crescimento, soma-se agora a crise econômica mundial causada pela pandemia do COVID-019, que varre qualquer possibilidade de solução para os problemas econômicos do país. As chamadas “Reformas” na verdade não passam de uma rasteira usurpação de direitos, ineficientes e cruéis com os trabalhadores, mas incapazes de gerar crescimento.

Ao contrário disso, a referida crise tem demonstrado a importância do Estado e dos serviços públicos, reconsiderando inclusive a necessidade de estatizações na Europa, estratégia premente que coloca em cheque o neoliberalismo em todo o mundo. Dessa forma, Paulo Guedes é cada dia mais questionado e dificilmente conseguirá manter a sua cartilha econômica, independente do que aconteça com o governo. Arrogante e preconceituoso, deve amargar na história a pecha de um dos piores Ministros da economia que o Brasil conheceu.

Bolsonaro também acreditou que as mentiras de Sérgio Moro e o sucesso midiático da Lava Jato poderiam garantir e ampliar a sua popularidade. Mas já no primeiro ano de governo, ainda em 2019, aparece a “Vaza Jato”, com uma série de reportagens que revelou conversas indecorosas, ilícitas, dos membros da cúpula jurídica de Curitiba, incluindo o atual ministro e o procurador Deltan Dallagnol. As conversas – capturadas e vazadas por hackers -, foram entregues ao Intercept Brasil, que descortinou os interesses reais da Operação e identificou  crimes e abusos cometidos por Sérgio Moro, outros juízes e desembargadores envolvidos com o processo da Lava Jato.

Da empáfia de juiz a político bajulador, Moro tem acobertado de forma permissiva tanto os crimes de milicianos, quanto práticas ilícitas de “rachadinhas” da família Bolsonaro, de forma que a população brasileira já se apercebeu da sua conduta compromissada com os valores da justiça. O ex-juiz e atual ministro tornou-se o exemplo mais declarado do entreguismo servil deste governo aos interesses norte-americanos. De bastião da moralidade, Moro é hoje uma figura questionável, por fazer da justiça palanque para os seus interesses políticos e, ainda que seja um dos pouco colaboradores bem avaliada do governo, junto à sociedade brasileira, já não consegue esconder as suas fraquezas e limites.  Ao se juntar a família Bolsonaro, possivelmente terá destino semelhante ao seus pares: a lata de lixo da história.

Por fim, o presidente se cercou de militares de forma a se proteger dos outros poderes, e criar a permanente sensação de que qualquer ato passível de questionamento do seu governo terá como resposta um levante militar. Do vice-presidente aos principais ministros, passando por milhares de cargos de confiança, o governo tem hoje a maior ocupação militar do Estado, superior até ao contingente de patentes que ocupou os governos militares do período da ditadura.

Mais uma vez, Bolsonaro apoiou-se em uma mentira: a de que soluções autoritárias seriam remédio para crises e possíveis questionamentos da ordem. Por mais que esta idéia possa ter reaparecido de forma estridente na era bolsonarista, as manifestações do dia 15 de março provaram como este pensamento é tacanho e incapaz de mobilizar uma parcela significativa da sociedade brasileira, a ponto inclusive destes movimentos recentes da ala “AI-5” serem facilmente ridicularizados.

Sobraram por fim, os terraplanistas e negacionistas, a navegar fazendo água em uma barca que, além de furada, mostra-se arriscada e perigosa para a saúde pública em um momento tão delicado. Ao negligenciar o perigo do coronavírus e insistir nas manifestações, a turba defensora da ditadura provou-se completamente desconectada da realidade e, os militares, se vêem cada vez mais constrangidos em respaldar as estultices do capitão.

A sociedade brasileira é sim, conservadora, mas a sua diversidade e as suas lutas seculares junto aos movimentos populares e sociais para a conquista de direitos e democracia, criaram fortes bases para a resistência contra governos autoritários. Esta força  não pode ser subestimada, ainda mais quando esta solução autoritária é apresentada por pessoas notoriamente despreparadas e incompetentes para o exercício do poder, como é o caso da família Bolsonaro e seus lunáticos seguidores.

As bases do bolsonarismo são tão sólidas quanto um castelo de cartas. É fato, que mostraram um lado terrível da sociedade brasileira, fruto de uma passado escravocrata e de uma elite sem respeito ou compromisso com a democracia. Como é fato, que essas bases contaram com a negligência e cinismo da grande imprensa, que em nome de seus interesses econômicos e preconceitos, foi conivente com todos os absurdos e perigos de um projeto de poder que não escondeu sinais antidemocráticos e sabidamente autoritários. A mídia, representada por uma parcela de jornalistas e editores experientes, não podia alegar ignorância diante dos indicativos de um governo como o de Bolsonaro, sendo portanto, co-responsáveis por esta tragédia que se abateu sobre o país.

O Brasil ainda está distante de uma saída para esta crise, e o povo brasileiro pode sofrer ainda mais com arroubos autoritários deste governo. Afinal de contas, Bolsonaro deu mais do que exemplos do seu egoísmo e da sua capacidade de promover maldades. Mas uma parcela considerável de brasileiros e brasileiras já se levanta e dá recados estrondosos para a opinião pública e à classe política.

A vida em sociedade exige resistência, a história humana comprova que nos cenários de crises profundas, catástrofes e tragédias, a solidariedade e o amor renascem, de forma a cuidar e proteger os nossos semelhantes. Também as instituições de interesse público e social, buscam amparo na democracia e na liberdade. Isso é o mais importante agora, e, para que isso aconteça, Bolsonaro deve cair. Venceremos o bolsonarismo como já vencemos outros projeto antidemocráticos. A partir dessa luta será possível reconstruir um projeto político que esteja a altura dos desafios da humanidade, no século XXI. Esta é a única forma de evitarmos a tragédia anunciada, destituir do poder um mito construído a partir de mentiras. Mito mimado, falso mito!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil