Foto: Antonio Cruz / Agência brasil

Lançarei mão de minha formação católica para fazer não só uma análise de conjuntura, mas profetizar, com a licença poético-bíblica da palavra, o que será do Rio de Janeiro, baseado neste último final de semana, um episódio de Amor de Mãe das Trevas.

A visita de Bolsonaro ao Rio de Janeiro, fechando a aliança Bolsonaro+Crivella, anuncia o que eu já havia previsto: um vice bolsonarista na chapa demoníaca no município do Rio de Janeiro.

Candidatos a vereador milicianos e do cartel das Igrejas sendo alavancados pelo fundo eleitoral e pela lavagem de dinheiro da junção do PRB e do futuro partido, Aliança pelo Brasil (que nas eleições só terá o dinheiro da lavagem, pois ainda não terá fundo eleitoral).

Profetizo Crivella “cuidando” das pessoas e fazendo palanque com pessoas armadas. Gente de bem. Profetizo ainda aumento dessa bancada nefasta, que produziu o assassino de Marielle e que fez vista grossa para todos os problemas da cidade.

Crivella só não fez mais erros por incompetência dele próprio, por inabilidade administrativa. Ele esteve livre e com os amigos milicianos o tempo inteiro de gestão, sendo chantageado por sua bancada, mas jamais abandonado por seus comparsas na Câmara. Aprovação de condomínio de milícia, aprovação de corte em 50% do orçamento na saúde, 35% na educação, 21% na infraestrutura urbana da cidade. O prefeito acabou com o Rio com a chancela da Câmara dos Vereadores em sua maioria.

Bolsonaro visita um prefeito com o maior índice de rejeição dos últimos 30 anos e faz isso com pompa e circunstância. A escolha por Crivella põe pimenta na disputa Witzel x Bolsonaro, que tem partidos de força muito próxima e base social idem. O que quer a ultradireita se não fazer crescer ainda mais sua base, dando a falsa impressão de que disputam e que não ganham e muito se qualquer uma das chapas ganhar a Prefeitura?

Pra coroar, a visita à namoradinha fascistinha do Brasil e a lição: os ventos do ultraconservadorismo são muito frescos no Rio de Janeiro. Essa visita ao Rio é uma massagem em sua base e o conjunto “roupa evangélica nacionalista de Regina Duarte”, o “namoro”, a “corte”, a sexualização das relações, a oração de 200 pastores pela vida de Bolsonaro em agenda oficial… Tudo isso cristaliza o novo normal imposto pelo marketing fanático-fascista da nova elite conservadora brasileira.

A campanha de 2020 já começou no meio dos “Messias” e falsos profetas da direita, e quem não está com medo da “cena”, não faz ideia da conjuntura do Rio de Janeiro e do Brasil.

Queria muito que os falsos profetas viessem como no livro do apocalipse, com fedor de enxofre e face cruel, mas infelizmente os demônios contemporâneos se vestem bem, têm media training, lavam dinheiro, têm milhões de seguidores nas redes sociais. Queria eu profetizar o fim desse império e um episódio com final feliz no Rio de Janeiro. Queria eu profetizar quem mandou matar Marielle e se vamos poder beber água da torneira nessa cidade. Se vamos poder um dia não pagar a taxa de cinquenta reais da milícia.

Esteja repreendido em nome do Senhor. Ô glória.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família