Revelação do rap nacional BIN apresenta seu primeiro registro cheio após singles e grandes parcerias no mundo da música.

Foto: Pedro Darua

De Belford Roxo RJ, o rapper BIN lança agora “Para todas as mulheres que já rimei”, seu primeiro álbum completo que chega pesado com 9 faixas e parcerias de vulto nacional. Passeando por músicas românticas e sensuais, inspiradas em sua própria vivência, o trabalho mostra a essência do artista, que canta e compõe com maestria. A melodia é um pop confortante, leve e solar, que expressa a versatilidade do cantor que já mergulhou em faixas com peso maior, “drill” (subgênero do trap) e até o pop. Um artista completo.

A gente escutou em primeira mão o álbum que sai às 20h de hoje (29), e traz L7NNON, MD Chefe, Borges, MC Maneirinho, Mãolee e outros nomes. E o que podemos garantir é: ficou foda. Com a ascensão meteórica de sua carreira, BIN entrega agora uma coletânea das faixas inspiradas em suas relações amorosas. ‘Quase uma Semana’ já chega um clássico, com flow envolvente e refrão garantindo o hit falando de amor.

No início do ano BIN assinou com a Mainstreet , gravadora independente que já trabalhava grandes nomes da cena do hip hop no Brasil, como Orochi, Borges. E seu primeiro lançamento por lá foi um marco em sua carreira – a faixa “Marília Mendonça” além de atingir números impressionantes, chegando a mais de 20 milhões de streams e ao topo de todas as plataformas, também foi o seu primeiro trabalho mais ao pop, anunciando assim o que viria a ser a principal característica do artista: a liberdade para caminhar entre os extremos, das faixas undergrounds – como o seu mais recente lançamento, “Mira Laser”, às faixas mais mainstream, como “Culpa do Álcool”.
[email protected]

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil