— Natália Bretas
[email protected]

O Festival do Conhecimento UFRJ Universidade Viva começou nesta terça-feira (11). O evento celebra os 100 anos da instituição, que em 2020 assume um papel fundamental no combate à crise na saúde mundial causada pela pandemia da COVID-19. Serão 10 dias de uma programação que inclui palestras, minicursos, oficinas, entrevistas e apresentações culturais. As atividades serão todas virtuais e abordam saúde, ciência, cultura, universidade, sociabilidade, diversidade, inclusão, arte, tecnologia, inovação e muito mais! 

O primeiro dia de Festival começou com um show intimista de uma das maiores cantoras da história da música brasileira, a rainha Elza Soares, que em junho completou 90 anos de vida. A pesquisadora cultural Ivana Bentes abriu a noite de comemorações apresentando a cantora, destacando seu papel como símbolo de resistência e luta contra o machismo e o racismo que tanto sofreu ao longo da vida. A reitora da UFRJ, Denise Pires de Carvalho, a primeira mulher a ser eleita para a maior universidade federal do país, deu início às comemorações do centenário da instituição exaltando a artista: “é uma grande honra ter conosco a mulher do milênio.”

Elza Soares foi eleita em 1999, pela Rádio BBC de Londres, como a cantora brasileira do milênio. Ela, que nasceu e se criou no subúrbio carioca, destacou a importância da UFRJ para a cidade do Rio de Janeiro e para o país como um todo. Acompanhada pelo músico JP Silva no violão, a cantora começou sua apresentação com o clássico “Juízo Final”, canção escrita por Nelson Cavaquinho e Élcio Soares em 1973.

Foto: Nina Quintana

 A dupla continuou a apresentação com os sucessos “Malandro” (Jorge Aragão/Jotabê), “O Meu Guri” (Chico Buarque), “Volta Por Cima” (Paulo Vanzolini), “Mulher do Fim do Mundo” (Alice Coutinho/Romulo Fróes), “Maria de Vila Matilde” (Douglas Germano), “O Tempo Não Para” (Arnaldo Brandão/Cazuza), “Espumas ao Vento” (Accioly Neto), “Banho” (Tulipa Ruiz), “A Carne” (Seu Jorge/Marcelo Yuka/Ulisses Cappelletti) e “Menino” (Elza Soares). 

Entre os versos de “Maria de Vila Matilde”, Elza lembrou da mulher negra, de 51 anos, que teve o pescoço pisado por um policial em São Paulo, incentivou as mulheres a denunciarem as agressões sofridas e lembrou que o disque 180 está disponível para todas.

“Chega, parem de nos matar. Nós negros merecemos respeito!” 

A primeira noite do Festival do Conhecimento UFRJ terminou com as palavras de Elza Soares, que pediu união para superarmos a pandemia, seguidas de agradecimentos à instituição, à reitora Denise e a todos os profissionais envolvidos na sua apresentação. E, para fechar o show com chave de ouro, tivemos um bis da canção “Mulher do Fim do Mundo”, single de sucesso do disco de mesmo nome e vencedor do Grammy Latino 2016 na categoria “Melhor Álbum de Música Popular Brasileira”.

Assista a apresentação completa:

Hoje tem:

E a programação vai até dia 24:

16/07 – Illy
17/07 – Luísa e os Alquimistas
19/07 – BNegão
20/07 – Babi Jaques e Lasserre
21/07 – Petra
22/07 – Luê
23/07 – Plutão já foi planeta
24/07 – Potyguara
24/07 – Chico Cesar
24/07 – Majur

Confira também a programação completa de atividades do festival:
festivaldoconhecimento.ufrj.br/

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Daniel Zen

O fim do império cognitivo

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL