Cynthia Luz acaba de lançar seu terceiro álbum da carreira. “Não É Só Isso” chega nas plataformas lotado de referências da história da artista apontando para os novos caminhos que sua música está trilhando. O álbum tem composições feitas durante a última parte da turnê do anterior “Efeito Violeta” (2019) e também frutos da quarentena. A obra revisita as origens de Cynthia, as influências acumuladas desde a infância, comprovando o que é viver de música e percebendo como isso se comporta nos dias de hoje.

O álbum, que conta com as participações de Tassia Reis (“O Mar’’), Froid (‘’Vai ver’’), Ice Blue (“A Dívida”) e Projota (“Como Deus Quiser”) foi gravado em Brasília, na Alaska, gravadora em que a artista também é sócia. Já a produção ficou por conta de Froid, Papatinho, Neo Beats, Dallas, Keviin e Dj Cia. A mixagem e masterização foi assinada por Arthur Lunna e gravação de voz por DJ LM.

Na busca por suas origens Cynthia acabou trazendo algumas referências da sua admiração por Elis Regina, Cássia Eller, Rita Lee e outros sons que ela nem imaginava, criando uma identidade musical única, que engloba vários estilos, mescla o Rap com sons brasileiros apimentados e “beats” modernos. Um disco vigoroso, com a musicalidade pulsante em cada acorde e que conversa com outros ritmos, artistas, compositores e produtores. “Não É Só Isso” é o chão de Cynthia, de onde ela veio, segue caminhando e para onde está indo.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Filipe Saboia

Recapitulando

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Daniel Zen

O fim do império cognitivo

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL