Cynthia Luz acaba de lançar seu terceiro álbum da carreira. “Não É Só Isso” chega nas plataformas lotado de referências da história da artista apontando para os novos caminhos que sua música está trilhando. O álbum tem composições feitas durante a última parte da turnê do anterior “Efeito Violeta” (2019) e também frutos da quarentena. A obra revisita as origens de Cynthia, as influências acumuladas desde a infância, comprovando o que é viver de música e percebendo como isso se comporta nos dias de hoje.

O álbum, que conta com as participações de Tassia Reis (“O Mar’’), Froid (‘’Vai ver’’), Ice Blue (“A Dívida”) e Projota (“Como Deus Quiser”) foi gravado em Brasília, na Alaska, gravadora em que a artista também é sócia. Já a produção ficou por conta de Froid, Papatinho, Neo Beats, Dallas, Keviin e Dj Cia. A mixagem e masterização foi assinada por Arthur Lunna e gravação de voz por DJ LM.

Na busca por suas origens Cynthia acabou trazendo algumas referências da sua admiração por Elis Regina, Cássia Eller, Rita Lee e outros sons que ela nem imaginava, criando uma identidade musical única, que engloba vários estilos, mescla o Rap com sons brasileiros apimentados e “beats” modernos. Um disco vigoroso, com a musicalidade pulsante em cada acorde e que conversa com outros ritmos, artistas, compositores e produtores. “Não É Só Isso” é o chão de Cynthia, de onde ela veio, segue caminhando e para onde está indo.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?