Após 30 anos maturando canções com “línguas de preto”, um dos principais expoentes do movimento negro lança disco inédito intitulado “Ifé Bogbo Aiye” em plataformas digitais de distribuição de música.

O álbum musical “Ifé Bogbo Aiye” de Mestre Lumumba foi produzido no estúdio Kalakuta, quilombo urbano localizado na periferia da zona oeste de São Paulo, conta com a direção musical de João Nascimento e participação de importantes artistas e produtores da cena cultural preta de São Paulo, que se reuniram de forma colaborativa para a realização desta obra. O álbum consiste no registro fonográfico de uma pesquisa cultural/musical que vem sendo realizada pelo artista Lumumba a mais de 30 anos em suas andanças, trajetórias e experiências percorridas em terreiros de candomblé, nos quintais de barro batido de seus bisavós, em espaços de resistência negra, em quilombos e vivências artísticas na cena da música brasileira. 

Foto: Raulzito

“Registrar essa obra é manter viva a história e o legado cultural de Mestre Lumumba, bem como, materializar a memória de um povo que ao longo do tempo historicamente vem sendo invisibilizado, de maneira simbólica, violentado pela cultura colonialista hegemônica.” Destaca João Nascimento produtor musical.

IFÉ BOGBO AIYE são movimentos sonoros perfumados em ervas de cheiro, folhas que curam, incensam, limpam e protegem corporeidades criativas, pérolas negras, culturas banhadas em águas salgadas e doces que formam composições musicais fundamentadas na transculturalidade das múltiplas áfricas em território brasileiro, histórias cantadas aos pés das N’gomas, tambores que saúdam, exaltam e retratam mitologias milenares que perpassam gerações pela oralidade, que ressoam no tempo e espaço dos terreiros de barro batido em terras caboclas. 

“Ifé Bogbo Aiye” significa “Amor para a Terra Toda” em língua de preto, como define Mestre Lumumba. “Em tempos de pandemia, o amor pode ser um caminho viável para um mundo que ainda insiste em violentar as populações negras e indígenas, que naturaliza a morte de centenas de milhares de pessoas, principalmente os mais idosos, que extermina as principais riquezas naturais do planeta que são nossas florestas, nossas águas e animais, que demoniza o culto às deusas e aos deuses de religiões não eurocentradas, reflete Mestre Lumumba, sobre a importância de lançar essa obra em tempos de crise acentuada no universo.

 

ESCUTE:
Spotify Ifé Bogbo Aiye
Deezer Ifé Bogbo Aiye
Apple  Ifé Bogbo Aiye

SOBRE O ARTISTA

Mestre Lumumba é um alento aos novos tempos, um patrimônio cultural imaterial da humanidade que atravessou gerações, um guerreiro combatente filho de Ogum, que carrega em sua couraça cicatrizes poéticas de um homem negro que encontrou em sua música um modo-estilo de vida, tornando-se referência à grandes artistas da atual cena MPB, Reggae music e “Afrobeat brasileiro”. Luthier, compositor, instrumentista e pesquisador da cultura negra da diáspora nas américas, o artista possui uma estética sonora arquitetada em arranjos que transitam entre os elementos da música tradicional afro-ameríndia brasileira e a moderna; tecidos tramados em estruturas e tessituras amparadas no timbre de uma voz grave, imponente como rugido de um leão, estrondosa como o trovão, marcada pela trajetória de 75 anos de vida, que desde a década de 90, começa recolher canções, pontos e memórias sonoras para uma produção fonográfica inédita intitulada Ifé Bogbo Aiye.

SOBRE O ÁLBUM IFÉ BOGBO AIYE

O álbum conta com canções de domínio público recolhidas nos terreiros de matrizes afro-ameríndias da região sudeste do Brasil, cantadas em “língua de preto” que compreende a junção dos troncos étnicos banto, jeje e nagô, ainda falados nos chamado enquistamentos culturais afro-brasileiros, sendo uma língua difundida no Brasil desde o processo de escravização na diáspora africana, antes mesmo da língua nacional ser oficializada como o português, sendo conhecida como “língua geral brasileira”. O álbum será organizado em formato de “Suíte Negra em Si menor”, uma “coleção-conjunto” de peças musicais ligadas a interlúdios compostos sobre o tema IFÉ BOGBO AIYE.

SOBRE A PRODUTORA KALAKUTA

Kalakuta é uma produtora cultural especializada em projetos de produção fonográfica e cinematográficos que fica sediada no núcleo de educação e cultura negra Afrobase em São Paulo. Kalakuta possui um estúdio de gravação e mixagem e vem realizando importantes trabalhos de valorização da cultura negra, destacando-se a produção fonográfica do segundo álbum musical “Terreiro Urbano” da Cia Treme Terra, “Hip-Hop Caboclo” de Gaspar Z’África Brasil e “Ifé Bogbo Aiye” de Mestre Lumumba. Na área cinematográfica, produziu o filme longa-metragem “Danças Negras” dirigido por João Nascimento e Firmino Pitanga, atualmente vem produzindo o média-metragem intitulado “Tambores da Diáspora”.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil