Imagem: Reprodução / Ted.com

Aproveito que o hype está discutindo masculinidade e pensar umas coisas:

Quem definiu o que era raça?
Quem definiu o que era gênero?
Quem definiu as normativas e os normais?

A história do ocidente é marcada pela ação do homem branco em definir tudo a partir de si mesmo. Construindo definições sempre se colocando no centro como a expressão ideal de humanidade.

Nos estudos de masculinidades, por exemplo, veremos que as demais expressões de masculino, fora daquilo performado por brancos, como brancos, para brancos, foram chamadas de “masculinidade subalternas”. Geral sabe o que significa subalterna aqui e geral sabe quem está nesses grupos, ok?

Quais interesses em manter esses lugares?

Todo masculino não cis-hétero-branco está na subalternidade, sendo obrigado à “busca pela brancura”, como disse Fanon.

Ainda nesse debate, sempre que alguém me pede para definir masculinidades tóxicas, eu digo para substituir “tóxicas” por branca. Pois o conjunto de comportamentos e performances criadas nesse modelo são, em natureza, a expressão de uma cultura de domínio e imposições construídas por esses homens, para hierarquizar, subalternizar e exterminar outras vidas. Principalmente as negras.

Por que, sequer, pautamos homens brancos nas discussões de diversidade? Porque não se entendem parte do diverso.

Basta observar o resultado desse projeto de sociedade para entender que deu ruim, e que é insustentável. E por isso é urgente deslocar homens brancos de seus lugares, para debater o enfrentamento às violências raciais, de gênero e classe. É hora de racializá-los para que a sociedade entenda o que é ser um homem branco nesse contexto de opressões construídas na raça que a sociologia deles fundou.

É urgente que se descortinem tais verdades para promover uma série de movimentos e destituições de poderes e normatividades, que só se mantém à medida que destroem outras manifestações de ser.

Compreender como as dinâmicas raciais estão dadas é o primeiro passo da luta antirracista. Entender qual lugar se ocupa é o mínimo.

Homens brancos se alçaram à norma, à regra. Se fazem régua. Por isso não entendem quando questionados. Por isso acham um absurdo quando interrompidos, racializados e apontados. Por isso, pensam e agem como definidores de tudo, e da última palavra, sempre. É um projeto.

São dessas questões que precisamos tratar nos debates de masculinidades e não só se limitar em falar sobre quem chora ou prefere saia. Há de se falar sobre quem determina, e o que define…

Tudo precisa ser pensado e repensado.

Eu preferia não ter que escrever sobre essas coisas porque tenho outras prioridades, mas enquanto esses agentes não se deslocam e não se pensam, a gente tensiona.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

A universidade pós-pandêmica

Juan Manuel P. Domínguez

“O lugar do artista é na luta”. Diálogos de quarentena com Rael

Renata Souza

Stonewall Inn.: orgulhar-se é transgredir

Cleidiana Ramos

O dia em que meu nariz me definiu como negra - notas sobre o racismo à brasileira

Gabriel RG

Netanyahu e a ânsia dos covardes por complacência

Erika Hilton

Um projeto mais assassino que o coronavírus

Márcio Santilli

Bolsonaro decide cooptar a base social do Lula para sobreviver ao impeachment

Gabriel RG

A substituição do monopólio da violência pelo monopólio da delinquência

André Barros

Bolsonaro evapora

Roger Cipó

Saber chorar nossos mortos e enfrentar o tempo que nos faz confusos. Por Hamilton Borges, liderança da Reaja ou será [email protected]

Juan Manuel P. Domínguez

O demônio branco esteve infiltrado nos protestos pela morte de George Floyd

Márcio Santilli

Ratos ficam nus e podem detonar Bolsonaro

Daniel Zen

E o cerco vai se fechando

Ana Júlia

A queda de Weintraub

Jandira Feghali

Rio às cegas