.

Mudanças radicais foram realizadas pelo governo no Conselho Superior de Cinema. Produtores e cineastas brasileiros foram excluídos da nova composição do órgão, responsável por formular políticas públicas para o setor audiovisual. Representantes de gigantes das telecomunicações e de conglomerados internacionais, como a Netflix e os estúdios de Hollywood ocuparam os lugares.

Dos 10 conselheiros, apenas 3 foram reconduzidos. Todos os 5 que se manifestaram pelas cotas do produto nacional no mercado de VOD foram afastados. Basta olhar a nova composição para vislumbrar o massacre a que o cinema e a produção independentes serão submetidos.

Não era Brasil acima de tudo? No mercado audiovisual, é Hollywood first!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

William Filho

Maconha no Brasil: o que esperar de 2021?

Djeff Amadeus

Cabe desobediência civil para impedir o Enem no Domingo

Camarada Gringo

Com a invasão do Capitólio, o imperialismo chega em casa

Gabriel RG

Assange está mais longe da extradição, mas o jornalismo segue perto do fim

Dríade Aguiar

Feliz ano novo com velhos problemas (para as mulheres)

Tatiana Barros

Artista faz streaming na Twitch TV para ensinar tudo que aprendeu gratuitamente usando várias tecnologias, principalmente a impressora 3D

Márcio Santilli

A ciência e o capital contra a pandemia

Dríade Aguiar

Uma sentença, uma celebração e uma promessa

Márcio Santilli

A resistência dura e vitoriosa dos Ashaninka do Rio Amônia

Márcio Santilli

O resgate da esperança

Cleidiana Ramos

Precisamos desarmar nossas bombas de ódio

Bernardo Gonzales

Fotos 3x4, transexualidade e as violências cisheteronormativas

Jorgetânia Ferreira

Manifesto das mães contra a volta às aulas presenciais em Uberlândia

Bancada Feminista do PSOL

Por que o MBL tem medo dos mandatos coletivos?