A emissora interfere no direito das pessoas receberem informações sobre a realidade da campanha eleitoral no país: uma obstrução grave à democracia e ao livre debate público.

.

A emissora dos Marinho tomou a decisão editorial — anunciada com poupa, circunstância e muito orgulho ao vivo por Willian Bonner — de não cobrir a agenda de campanha da candidatura que está em 1º lugar em todas as pesquisas de intenções de voto.

Ao tomar esse decisão, a Globo rasga completamente todas os parâmetros que definem a atividade jornalística. Do ponto de vista do que deveria ser uma cobertura jornalística objetiva e — como eles adoram bradar imparcial e neutra — o ex-presidente Lula estar preso, ter a homologação de sua candidatura aguardando decisão do Tribunal Superior Eleitoral não são motivos para ignorar deliberadamente a campanha desenvolvida por Haddad, Manuela D’Ávila e por milhares de pessoas em todo o Brasil. Ao contrário, o fato é de profundo interesse jornalístico e social.

Não é novidade que a emissora adote padrões de manipulação da informação como algo permanente na sua cobertura jornalística. Mas, ao assumirem editorialmente essa manipulação, nestas eleições, demonstram como a absurda concentração econômica na comunicação e a ausência de mecanismos de regulação para garantir diversidade e pluralidade nos meios de comunicação são perigosos para a democracia.

Perseu Abramo em seu ensaio sobre o Significado Político da Manipulação na Grande Imprensa, escrito em 1988, discorre sobre os padrões de manipulação utilizados: ocultação, fragmentação, inversão e indução. A Globo abusa desses padrões e escancara a sua tentativa desesperada de alterar o cenário da disputa eleitoral no Brasil.

Além disso, a emissora viola gravemente o direito à comunicação, conforme estabelecido no Artigo 19 da Declaração dos Direitos Humanos – “Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; esse direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras”.

Ao se negar a cobrir a agenda de campanha de Lula-Haddad-Manuela, a Globo interfere de forma discricionária no direito das pessoas receberem informações sobre a realidade da campanha eleitoral no país, o que é uma obstrução grave à democracia e ao livre debate público. Nenhum meio de comunicação precisa concordar com o tema para divulgar e dar tratamento jornalístico a ele. Se a concordância for pressuposto para decidir a pauta dos veículos, passaremos de um padrão de manipulação para um cenário de censura prévia.

A decisão da Globo também viola o artigo 37 da Resolução 23.551 do TSE: “é vedado às emissoras de rádio e de televisão, em sua programação normal e noticiário (Lei no 9.504/1997, art. 45, incisos I, III, IV, V e VI): inciso III)  dar tratamento privilegiado a candidato, partido político ou coligação”.

Ao decidir de forma unilateral ignorar a campanha de uma coligação, a Rede Globo está dando tratamento privilegiado às demais coligações e partidos, uma vez que está eliminando da sua cobertura a campanha que está em 1º lugar nas pesquisas.

O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação lançou na primeira semana de agosto a campanha “Eleições Democráticas só com Liberdade de Expressão” . Certamente, essa postura da Globo é censura privada e como tal precisa ser denunciada.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil