por Rachel Daniel, Jéssica Rezende, Luciana Petersen e Jackson Augusto

Há, dentro das comunidades de fé evangélica, um movimento de juventude articulado e organizado ao redor de pautas religiosas que serve aos interesses dos que constroem projeto de poder em nome de Deus. Não à toa, o último grande evento voltado para a juventude evangélica, o The Send, reuniu mais de 190 mil pessoas além de ter contado com a presença do presidente e da Ministra Damares Alves – além de inúmeros pastores, líderes religiosos e políticos que integram esse grande bloco conservador da igreja brasileira. Na ocasião, Jair Bolsonaro “se converteu” pela terceira vez, ao som de intensos aplausos de um público majoritariamente jovem.

O que temos vivido no país desde as últimas eleições, em 2018, também é reflexo da forte ascensão desses movimentos jovens evangélicos – que usam do progressismo estético para propagar e perpetuar ideias conservadoras e fundamentalistas. Por isso, é importante que se dê a devida atenção ao que se vem formando no campo da religião e disputa o imaginário da juventude brasileira que, pautada pelo fanatismo religioso, se aliena das discussões sociais sobre os direitos de adolescentes e jovens e abraça as ideias de uma política cristofascista.

Hoje, 12 de agosto, é o dia internacional da juventude. Uma data marcada por diversas ações de impacto a nível mundial e o momento perfeito para expor a inquietação: o que a juventude evangélica tem proposto? Qual a sua força para mobilizar, articular e pautar as discussões que nos são tão caras? Por que não estamos discutindo gênero, raça, classe, sexualidade, política de drogas e tantos outros temas importantes? A quem serve a organização da juventude evangélica no brasil?

Somos um país religioso, é dado. Parte massiva dos que têm fé são evangélicos e estão nas periferias dos grandes centros. Segundo o Datafolha de 2019, no Brasil, a juventude evangélica já é maior do que a católica. Estamos falando de jovens que também são atravessados pelo racismo, machismo, LGBTfobia e outras tecnologias de opressão.

Sujeitos que têm suas experiências e histórias de vida constantemente silenciadas pelas estruturas institucionais que castram e paralisam a potência da juventude brasileira. Enquanto João Pedro está sendo assassinado, chacinas como a do Cabula (BA) – com 12 jovens mortos – acontecem, ou casos como o de 5 jovens que foram executados com 111 tiros na Costa Barros (RJ) existem, as lideranças da juventude evangélica brasileira discutem sobre ser pecado ou não escutar certas músicas ou vestir certas roupas.

Enquanto continuarmos com o pensamento de “ir à igreja” – ou seja, atrelar a nossa espiritualidade a um espaço geográfico – ao invés de “ser Igreja”, um corpo diverso que se movimenta e é organismo vivo – continuaremos reproduzindo um pensamento cartesiano de que precisamos de mediadores (leia-se: majoritariamente homens cis, héteros e brancos; os ‘Mestres da Lei’ e detentores dos saberes acadêmicos teológicos) para que as experiências de encontros com Deus aconteçam. A nossa fé não pode nos lançar para o céu como se fosse possível experimentar a vida sem um corpo que é, também, sujeito hermenêutico. Corpo que pensa, que cria, que sofre, que chora, ri, ama, tem nome, tem rosto, tem cor, se relaciona e tem autonomia. Um corpo que está aqui e agora.

O papel da Igreja é, também, profético. Assim como Jesus inverteu a lógica de poder e dominação do Estado romano, a juventude evangélica precisa se lembrar de denunciar as injustiças que ​estão acontecendo – no gerúndio. Nesse sentido, a validação do discurso bolsonarista é uma forma de contribuir com um projeto de poder pensado para excluir algumas pessoas da mesa de comunhão. Ainda há um pensamento dominante e conservador que culpabiliza, controla e pune esses corpos. Não à toa, vivemos tempos de obscurantismo. Duvidamos da ciência para “preservar os fundamentos da fé”, ceifamos vidas em nome do deus-Mercado, colocamos propriedades acima dos direitos humanos, matamos por causa da cor, estupramos para dominar identidades de gênero, espancamos porque há afetos que não seguem o padrão heteronormativo da família tradicional brasileira.

Mas quais são as perguntas, os espantos e os paradoxos que a juventude evangélica coloca diante da Bíblia? Como responderemos às desigualdades e violências que a lógica da meritocracia reproduz nas nossas relações? Por que certos assuntos assustam a igreja-instituição? Até quando daremos o status divino a falsos-Messias? A evangelização se tornou um tipo de colonização na qual nos apaixonamos pela mensagem e não pelas pessoas que são o alvo da mensagem.

Por isso é urgente que as juventudes evangélicas ocupem espaços, subvertam estruturas, se articulem de forma coletiva e lutem pela possibilidade de uma justiça restaurativa que garanta o acesso a direitos básicos e possibilite a reconstrução da dignidade àquelas e àqueles que “não combinam” com a estética da parede preta. Se não fizermos o exercício diário de relacionar nossa fé com a vida cotidiana, a tendência é continuar reproduzindo discursos negacionistas, violentos e idólatras. Está escrito: “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará” – a verdadeira perversão é tomar o lugar de Deus para satisfazer nossos próprios interesses.

Invocamos aqui o profeta Isaías que diz: “não aguento mais suas reuniões solenes”. Diante de tanta violência, extermínio e morte contra a juventude, precisamos empoderar, levantar e sinalizar jovens que são referências na luta pela justiça, amor e humanização de todos jovens do mundo. É preciso trazer a memória que o Martin Luther King foi ordenado pastor aos 18 anos, se tornou líder do movimento pelos direitos civis aos 26 anos. Utilizando a metáfora bíblica, existem aqueles que não se dobraram diante de Baal. Mesmo diante desse cenário de ascensão do cristofascismo é importante ter em mente que evangélicos não são uma massa homogênea e existem jovens evangélicos que estão pautando discussões importantes, dentro e fora das igrejas.

Separamos 9 @ de jovens evangélicos que, não se dobrando a essa lógica cristofacista, estão propondo e lutando pelos direitos das juventudes no brasil. Acompanha:

@zaurildas

.

Coletivo de mulheres negras cristãs. Constroem o @projetozau que incentiva a intelectualidade de mulheres negras evangélicas.

@derickcoelho1

.

Mobilizador social na Visão Mundial Brasil, na luta pelos direitos das juventudes através do movimento MJPOP Brasil e representante da organização no CONJUVE- Conselho Nacional de Juventudes, e no CPPJ- Conselho Estadual de políticas públicas de juventude em Pernambuco.

@toniovalentee

.

Youtuber, podcaster em @meudeusaondeeuto, embaixador @todxsbrasil e integrante do Evangélicxs pela diversidade.

@nosmarcelorocha

.

Ativista pelo clima pelo @fridaysforfuturebrasil, educador e fotojornalista. Constrói movimentos junto às juventudes negras e periféricas de SP. Idealizador do projeto “Quebrada – São Paulo na Visão dos Cria” e do festival “Favela Em Casa”.

@camila_mantov

.

Ecossocialista, feminista cristã, fundadora e articuladora da Frente Evangélica Pela Legalização do Aborto. Integrante dos coletivos Subverta e Evangelicxs pela diversidade.

@wesleyteixeiras

.

Constrói movimentos junto a juventude negra da Baixada Fluminense como @movimentocaxias e @perifaconection; integra a Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito e é pré- candidato a vereador pelo PSOL Duque de Caixias, no RJ.

@lesbcrente

.

Lari é publicitária, produz conteúdo sobre fé, comununidade LGBTQI+ e feminismo; Ministra o curso “Marketing no Instagram para Lésbicas Empreendedoras”

@jsscrznd

.

Jéssica é comunicadora popular, atua com mobilização social e participação cidadã em defesa dos direitos das juventudes na @viracaoeducom e escreve sobre direitos humanos e evangelho no seu blog pessoal no medium.

@afrocrente

.

Jackson constrói o Movimento Negro Evangélico, produz conteúdo sobre teologia negra e juventude, é podcaster em @afrocrentescast e é articulador no projeto @UsinadeValores.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Pedro Borges

Jornalista também pode ser alienado

Colunista NINJA

A manifestação estética e cultural dos paredões de Salvador e seu desafio à cidade

Erika Hilton

Estátuas, símbolos e heróis da nossa história

Colunista NINJA

Santidade no tempo de Covid-19

Fatine Oliveira

De que mulher estamos falando?

Andréia de Jesus

O paradoxo da onda antirracista

Fabio Py

Cristofascismo: teologia política de Bolsonaro na Páscoa de 2020

Márcio Santilli

Disputas nas eleições municipais estão em aberto

Eduardo Sá

Maria Emília Pacheco: “A agroecologia tem uma proposta extremamente atual, urgente e necessária”

André Barros

Arroz, feijão, maconha e educação

afrolatinas

Cada cicatriz sua, eu beijei

Bancada Feminista do PSOL

Damares Alves: uma liderança do poderoso lobby que teve 868 milhões de perdão de dívidas com a previdência

Colunista NINJA

“Sementes: mulheres pretas no poder”, um filme sobre as sobreviventes da política do ou/ou

Movimento dos Pequenos Agricultores

R$ 600,00 já são R$ 480,00

Juan Manuel P. Domínguez

A fúria e a cobiça da elite pentecostal