Por Beatriz Lourenço e Pedro Borges

Não há outra forma de iniciar esse texto sem a reafirmação de seu título, “voto antirracista é voto no movimento negro”, e só pode ser assim, sobretudo em 2020. Não por acaso, as discussões sobre o violento racismo brasileiro passa a assumir um papel importante na conjuntura eleitoral. Dificilmente você verá um candidato posicionado no campo da esquerda ou no campo progressista que não mencione a necessidade da superação do racismo em seu discurso, mas isso é suficiente? Temos certeza que não.

O Movimento Negro está organizado no Brasil há quase cem anos, sempre debatendo o caráter estrutural das relações raciais no país, muitas vezes de maneira solitária.  Se racismo vem sendo debatido com mais frequência pela sociedade, e se episódios como o ocorrido com George Floyd reverberam e causam indignação, é porque estamos há décadas formando militantes, debatendo as relações e travando as lutas. Não há no Brasil força política mais preparada para entendê-lo e para organizar o povo para um projeto de Brasil. Assim, para nós, a primeira e mais importante prática antirracista é o reconhecimento incontestável de que a maior instância da luta antirracista no Brasil  é o Movimento Negro. 

Deste modo, não existe outra alternativa consequente para o verdadeiro voto antirracista do que a escolha de candidatos gestados no seio do Movimento Negro, com práticas e pautas que a ele respondam. Não acreditamos que heróis redentores salvarão o povo. Não cremos em heróis, nós os cultivamos. Desde Zumbi, nossa experiência nega o culto à personalidade e a autocracia; o Quilombo que estremeceu a Coroa portuguesa foi uma construção coletiva. E essa segue sendo a nossa estratégia para combater racismo: a organização popular e comunitária, a construção coletiva de um projeto alternativo e de bem-viver.

Neste cenário, organizações de movimento negro e de periferia, como a Uneafro Brasil, a Agência Solano Trindade, entre outras, se reúnem para disputar o poder legislativo na cidade de São Paulo com a chapa do Quilombo Periférico, encabeçada por Elaine Mineiro e acompanhada de Débora Dias, Júlio César, Erick Ovelha, Samara Sosthenes e Alex Barcelos.

O Quilombo Periférico é uma chapa coletiva, gestada no seio dos movimentos sociais, com a capacidade de representar de maneira real e concreta as violações do Estado no âmbito de raça, gênero, classe, território, sexualidade, entre outras. É a modernidade da luta antirracista no Brasil.

O grupo também é a concretude da independência e autonomia das organizações de movimento negro e periférico. Não é uma corrente, um racha, é o movimento antirracista articulado de maneira própria. É a ousadia de reunir movimentos sociais negros e de periferia sem supervisão e submissão aos brancos.

A nossa tarefa histórica, a partir da perspectiva que apenas nós podemos ter, é a de dirigir o projeto autenticamente popular. Assumimos o dever de dar o rumo e convidamos os antirracistas a construir as pautas que digam respeito ao Brasil. Domingo, somos Quilombo Periférico.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Dríade Aguiar

Se matarem meu pai no mercado

transpoetas

Mês da Consciência Transnegra

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Fabio Py

Derrotar Crivella para destronar o falso messias

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil