1645907864-fe-e-politica-no-brasil

Confusão!

Um senador da República está trabalhando sério sobre a questão do abuso de poder por parte do poder judiciário; é a lógica republicana de que todos os poderes da República têm de estar sob controle social.

Há um protesto por parte de membros do judiciário sendo veiculado pela mídia. Esse protesto é liderado por um membro do Ministério Público que teve a sua fé, que é evangélica, alardeada pela rede social, em cena em que aparece ajoelhado recebendo oração de seu pastor comissionando-o para uma cruzada pela justiça, em nome de seu deus.

O senador chamou a atenção desse servidor público, para o que entendeu ser, na ação desse servidor, um ato em desacordo com a fé que ele anunciou para todo mundo.

Portanto, um anuncia para todos que está prestando serviço púbico em nome de seu deus, e o outro reclama de seu serviço público dizendo que ele foi incoerente, e não honrou o deus que usa como justificativa para o que faz. Que confusão!

Não há nada de errado em que um fiel peça a benção de seu deus por meio de seu sacerdote, para melhor poder exercer seu trabalho. Mas, publicizar isso, quando se trata de trabalho público, quebra a lógica do estado laico, pois, no estado laico todo serviço púbico deve ser exercido em nome da Constituição.

É nessa confusão que nós evangélicos nos metemos na nossa relação com o Estado.

Embora sejamos incentivados por nossa fé a fazer tudo como um culto, temos de entender que essa prática pessoal é para buscar a excelência em nosso trabalho, e não para fazer de nosso trabalho uma plataforma para impormos a nossa fé, principalmente, se nosso trabalho é serviço público.

Apesar de haver evangélicos em todos os partidos, que é como deve ser, é interessante ver que há, pelo menos, dois partidos políticos que, na prática, são de evangélicos, ainda que cumpram nos seus estatutos as normas constitucionais. E parece que um terceiro partido, com essa configuração, está em formação.

Não há dúvida de que a representatividade, na democracia moderna, se tornou um grande desafio. A sociedade se tornou muito complexa e os critérios usados até hoje não são mais suficientemente abrangentes, porém, o Estado é Laico, e, no caso brasileiro, plenamente laico, uma vez que o Estado brasileiro não legisla sobre religião, deixando o culto religioso absolutamente livre.

No Brasil só uma coisa, por definição, é proibida para as religiões: Nenhuma religião pode tentar usar o Estado para se impor à nação.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil