.

TRANS EM TOKYO! Laurel Hubbard, Halterofilista da Nova Zelândia, será a primeira atleta transgênero a competir nos Jogos Olimpíadas de Tóquio 2020 e vai competir na categoria feminina de 87 quilos.

A classificação para Tóquio 2020 veio em maio após uma mudança de regra, que garantiu a ela uma vaga na categoria superpesados.

Ela foi confirmada como elegível para os jogos olímpicos este ano depois de cumprir os critérios da Federação Internacional de Halterofilismo, do Comitê Olímpico Internacional e do Comitê Olímpico da Nova Zelândia.

Chelsea Wolfe, do ciclismo, é da equipe reserva norte-americana de BMX freestyle. Ativista pelos direitos LGBTQIA+, fala do tema em suas redes sociais e entrevistas.

“Estou processando lentamente, aos poucos, o quão emocionante isso é”, afirmou. “Acho que não entendi totalmente como é emocionante e é incrível chegar tão longe com esse meu sonho, ao qual dediquei minha vida nos últimos cinco anos.”

Wolfe é a terceira colocada no ranking dos EUA.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Mariane Santana

A volta do ABBA e o futuro (presente) dos shows

Agatha Íris

Quem defende as crianças que são vítimas de abuso e estupro de vulnerável?

NINJA Esporte Clube

Pretos na Biblioteca: projeto idealizado por Gabizona do vôlei busca combater o racismo através da educação

NINJA Esporte Clube

A’ja Wilson: uma voz potente e necessária

NINJA Esporte Clube

Ginasta Luis Porto foca na preparação para próximas competições, após corte inesperado do Mundial 2021

Flávio Renegado

Vinte e Três Minutos… 

Márcio Santilli

Direita rachada

Talles Lopes

Morro do Fogo: fé e luta quilombola

Bancada Feminista do PSOL

Sampaprev 2: um ataque a quem esteve na linha de frente contra a Covid

Lais Gomes

Me deixa reclamar!

Andréia de Jesus

Indígenas latinos são transformados sistematicamente em imigrantes por mais de 500 anos!

Laryssa Sampaio

O Peso do Pássaro Morto: perdas, reencontros, encontros e fim

Andréia de Jesus

Zema expressa todo seu preconceito social

Laryssa Sampaio

Pelo direito de pensar e decidir se queremos ou não ser mães

Márcio Santilli

Nem autogolpe e nem impeachment