Em 2020, empresa desenvolveu regras que buscavam proibir “desinformações prejudiciais” sobre vírus e suas vacinas

Imagem: Divulgação/Olhar Digital

O Twitter anunciou que a política contra desinformação sobre a Covid-19 foi suspensa, colocando um fim ao conjunto de regras, desenvolvido em 2020, que buscava proibir “desinformações prejudiciais” sobre o vírus e suas vacinas.

A mudança em sua política contra a desinformação é mais um sinal de como Elon Musk planeja transformar a empresa de mídia social que comprou há um mês.

As regras permitiam que contas com informações falsas sobre a pandemia sofressem punições.

De janeiro de 2020 a setembro de 2022, mais de 11 mil perfis foram suspensos por quebrar as regras de desinformação da Covid e removeu quanse 100 mil conteúdos que violavam essas regras, segundo estatísticas publicadas pelo Twitter.

A política foi aclamada por profissionais médicos: em um comunicado para plataformas de tecnologia, o Cirurgião Geral dos EUA, Dr. Vivek Murthy, citou as regras do Twitter como um exemplo do que as empresas devem fazer para combater a desinformação.

Musk prometeu restaurar muitas contas do Twitter anteriormente banidas ainda esta semana. É possível que entre as contas restauradas estejam algumas das 11 mil banidas pelas antigas regras de desinformação da Covid do Twitter.

CEO negacionista

O CEO do Twitter, Tesla e SpaceX testou os limites da política anterior do Twitter nos primeiros dias da pandemia. Em março e abril de 2020, Musk usou a rede social para minimizar a magnitude da crise e expressar frustração com a forma como a pandemia foi tratada.

Ele pediu repetidamente o fim das políticas de permanência em casa, apesar da insistência das autoridades de saúde pública na época de que o distanciamento social continuava sendo necessário para evitar uma onda de infecções que poderia sobrecarregar os hospitais.

Em uma teleconferência de resultados da Tesla com analistas de Wall Street em abril de 2020, Musk saiu do roteiro para protestar contra as políticas da Covid.

“Eu chamaria isso de ‘aprisionar pessoas à força em suas casas’ contra todos os seus direitos constitucionais, na minha opinião, e violar as liberdades das pessoas de maneiras horríveis e erradas e não por que as pessoas vieram para a América ou construíram este país”, disse Musk na chamada. “É um ultraje.”

Musk diz que já teve Covid duas vezes. Apesar de seu ceticismo em relação à política de saúde pública, ele falou que apoia a vacinação, mesmo que não acredite que as vacinas devam ser obrigatórias.

Ainda assim, em uma entrevista para o podcast do New York Times com a jornalista de tecnologia Kara Swisher em setembro de 2020 afirmou que não seria vacinado porque “não corro risco de Covid, nem meus filhos”.

Quando Swisher confrontou Musk com a possibilidade de que muitas pessoas poderiam morrer se não seguissem as recomendações de saúde pública, ele respondeu sem rodeios: “Todo mundo morre”.

Com informações da CNN

Leia mais:

O que pode estar por trás da parceria entre o Governo Bolsonaro e Elon Musk?

Compra de cloroquina por Bolsonaro será investigada pelo governo Lula

 

Lula não assusta capital estrangeiro, que investe alto na bolsa brasileira