O álbum antirracista é uma iniciativa da Faculdade Zumbi dos Palmares feito em parceria com a agência Grey Brasil

Richarlison e Vini Jr. já foram vítimas de racismo no futebol. Foto: Reprtodução

Por Mauro Utida

Em uma iniciativa sem qualquer interesse comercial, mas sim para dar visibilidade às histórias de dezenas de jogadores da Copa do Mundo que já sofreram discriminação racial, a Universidade Zumbi dos Palmares lança o álbum antirracista da Copa.

O álbum reproduz as páginas da versão oficial, mas alteradas para destacar 62 jogadores do mundo que foram vítimas de racismo recentemente, ressaltando suas conquistas, feitos e trajetórias. Destes sete são brasileiros: Alex Sandro, Eder Militão, Fred, Gabriel Jesus, Neymar, Richarlison e Vinícius Junior.

O caso de Vini Jr., inclusive, foi um dos casos mais recentes e aconteceu pouco antes do início da Copa. Ele foi acusado de fazer “macaquice” em campo por um comentarista de um programa televisivo espanhol. O brasileiro que é destaque do Real Madrid costuma dançar em campo quando balança as redes e recebeu o apoio com a campanha nas redes “Baila, Vini Junior”. O jogador publicou um vídeo com mensagem em que agradeceu o apoio e prometeu: “não vou parar de bailar”.

O álbum antirracista foi realizado em parceria com a agência de publicidade Grey Brasil, que trabalha com a faculdade em diversos projetos.

Na página final, há um QR code que direciona para um site onde uma petição irá pressionar a Fifa a banir da próxima Copa os países em que acontecerem atos racistas.

Como o projeto é sem fins lucrativos, foram impressas poucas unidades. Porém, o arquivo está disponível pela internet gratuitamente. Na página https://albumantirracista.com.br é possível fazer o download da versão digital do álbum.

Segundo José Vicente, reitor e diretor geral e acadêmico da Faculdade Zumbi dos Palmares, “este álbum é mais do que falar dos casos de racismo que já estão na mídia, é uma maneira de enaltecer as conquistas dos jogadores que fizeram e seguem escrevendo sua história no futebol”, informou para o portal Clube de Criação.

Leia mais:

Chamado de macaco ao vivo na TV, Vinícius Jr. recebe apoio na internet: #BailaViniJr

Estreia da Copa no dia da Consciência Negra reforça debate sobre racismo no futebol

Vasco da Gama é pioneiro na luta contra o racismo no futebol brasileiro