Arte: Latuff

“Um povo que não consegue produzir seus próprios alimentos, é um povo escravo”

(José Marti)

Você já se alimentou hoje? Café, um almoço, jantar ou mesmo um lanche? Parou para pensar de onde vem esse alimento? Para além do mercado, já pensou quem o produz de fato? Às vezes comemos tão rápido por conta da rotina, que nem mesmo pensamos nisso, ou melhor às vezes comemos tão rápido que nem pensamos que existem milhões de pessoas que estão comendo menos, comendo pouco, comendo mal, ou pior, não estão comendo. No mundo já são 820 milhões de pessoas que passam fome, dessas, 5 milhões de pessoas são brasileiras.

É por isso que o Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA vem nesse mês de outubro dizer que Nossa Luta é Contra a Fome. Não podemos admitir que em um país tão grande e rico como o Brasil ainda existam pessoas na miséria, e pior, que essa situação se agrave a cada dia. Sabemos que o Brasil é capaz de produzir alimentos de qualidade para todo o povo, não concordamos que os ricos possam comer alimentos orgânicos, enquanto os trabalhadores e trabalhadoras mal têm a acesso aos produtos cheios de agrotóxicos e transgênicos.

A padronização e hiper processamento de alimentos aumentam a fome

Além dos Alimentos com Agrotóxicos e Transgênicos, outro problema grave é a padronização dos alimentos. Para aumentar os lucros são produzidos poucas opções de produtos, porém, em grandes quantidades. O resultado disso é que, das cerca de 50 mil espécies alimentares existentes atualmente, 200 são consideradas importantes. Destas 200 espécies, 100 delas são comercializadas. No entanto, 80% da alimentação têm origem em 20 espécies de cultivos, sendo que o trigo, o arroz, o milho e a soja representam 85% do consumo de grãos. (Guterres, 2006). A cada 10 Kg de alimentos consumidos por uma pessoa em uma semana, 8 kg vieram de 20 plantas e 6,8 kg vieram do trigo, do arroz, do milho e da soja.

No Brasil, esse projeto se materializa na aliança entre Estado brasileiro, latifundiários, corporações transnacionais, meios de comunicação de massa (TV, Jornais, redes sociais) e os bancos. Essa aliança das elites e donos do poder é o que caracteriza o que denominamos de agronegócio. Em 2019 estamos vendo uma ofensiva do agronegócio, que junto ao atual Presidente da República já liberou 325 agrotóxicos. Grande maioria dos agrotóxicos liberados foram proibidos nos EUA e Europa. Nessa ofensiva [email protected] somos [email protected], tanto para os povos do campo, das florestas e águas como quem vive nas cidades. Mais destruição à natureza e mais alimentos envenenados aos consumidores.

Diante da FOME e da liberação dos Agrotóxicos, nós do Movimento dos Pequenos Agricultores, reagimos em Luta por Soberania Alimentar e Poder Popular. Aproveitando o dia 16 de outubro para construir essa jornada que tem por objetivos além de denunciar essas ações criminosas das multinacionais e governo, apresentar nossas propostas. Realizaremos em todo país, feiras agroecológicas, debates nas escolas, praças, universidades, mutirões agroecológicos, encontros de formação e trabalhão de base, etc.

Defendemos nessa jornada a Soberania Alimentar, como projeto político que organize a produção e o abastecimento de alimentos de outro modo. Para isso é necessário que [email protected], quilombolas e indígenas sejam sujeitos da produção de alimentos e do desenvolvimento nacional na produção de alimentos com qualidade. A este projeto político em construção, denominamos Plano Camponês. Defendemos nessa jornada o Poder Popular através da construção de Sistema Popular de Abastecimento, onde em grande aliança os [email protected] juntos aos trabalhadores da cidade possam construir e fortalecer espaços que permitam que os alimentos agroecológicos cheguem até as mesas de todos sobre controle de [email protected]

O Movimento dos Pequenos Agricultores convida e convoca todos os consumidores de alimentos, estudantes, professores, movimentos, organizações sociais e sindicais do campo e da cidade, partidos políticos, parlamentares a construírem no mês de outubro essa jornada e na semana de 14 a 18 de outubro de 2019 para intensificar nossas ações.
Aliança campo e cidade por Soberania Alimentar!

Você Sabia?

Os camponeses e camponesas têm pouca terra, mas colocam bem mais que 70% dos alimentos na nossa mesa. Fonte: Censo Agropecuário- IBGE.

Desde dezembro de 2018 Meio bilhão de abelhas morreram no Brasil, principalmente pelo uso de agrotóxicos, sem abelhas não há polinização fundamental para a agricultura. Fonte: Agência Pública

O Açúcar camuflado! Você sabia que muitos produtos contém quantidades abusivas de açúcar? Sabia que em um pote de 400g de Nutella existem 227,2 g de açúcar?! ( mais da metade) Fonte: Daily Mail

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Liana Cirne Lins

Paternidade Ativa Feminista

André Barros

Blindador-geral da República

Felipe Milanez

Morreu Aritana Yawalapíti! Silêncio, choro e o luto com o Xingu

NINJA

O elitismo e o mal banal dos protestantes tradicionais no governo Bolsonaro

Eduardo Sá

“O movimento agroecológico reúne experiências e caminhos possíveis e desejáveis”

Daniel Zen

Palavras soltas ao vento

Eduardo Sá

“A questão da fome é real se houver um impasse e não se encontrar uma saída”

Ana Claudino

Quem tem medo de sapatão?

Márcio Santilli

Bolsonaro fora do mundo

Boaventura de Sousa Santos

Defesa dos indígenas contra a Covid-19

André Barros

Negacionismo judicial

Daniel Zen

Um feminicida não pode ser ídolo em nossa sociedade

afrolatinas

Conheça a Pretaria BlackBooks, primeiro clube de leitura antirracista do Brasil

André Barros

Notícia-crime contra Bolsonaro por genocídio

Colunista NINJA

O vírus e as trabalhadoras sexuais na Guaicurus, em Belo Horizonte