Foto: Midia NINJA

Por Frei Sérgio Antônio Görgen ofm.

O ônibus que nos leva até a rodoviária, até o bairro ou até o centro da cidade é movido a diesel, com petróleo extraído do fundo do mar, pela Petrobras e seus trabalhadores, com tecnologia de exploração em águas profundas desenvolvida por engenheiros e cientistas desta nossa amada nação.

Nossos carros e motos se movem com gasolina, da mesma fonte e da mesma empresa. Assim nossos tratores, caminhões e colheitadeiras. Produzem e transportam o alimento e as bebidas que estão todos os dias em nossas mesas.

Cozinhamos e aquecemos água – para o café, o chá, o chimarrão – com gás de cozinha originado na forma gasosa de coproduto proveniente da extração do petróleo. Assim também fertilizantes nitrogenados e uma gama enorme de produtos originários da petroquímica estão presentes em nosso quotidiano. Muito mais do que imaginamos, de plásticos, estofados a chinelos de dedos.

Em tudo isto, a Petrobras presente.

Esta empresa é uma de nossas maiores façanhas como Povo Brasileiro. Muitos lutaram por ela. Muitos desacreditavam de suas possibilidades. Getúlio Vargas assumiu a decisão política de criá-la no bojo de um fantástico movimento popular chamado “O Petróleo é Nosso”.

O mesmo Getúlio criou a Fábrica Nacional de Motores e a Companhia Brasileira de Tratores. Mas Juscelino Kubitscheck, em troca de multinacionais automobilísticas e de máquinas agrícolas, rifou a indústria e a tecnologia nacional. O militares nacionalistas – já existiu este tipo de seres em nosso país – não aceitaram entregar a fabricação de aviões e a Embraer sobreviveu como empresa nacional até dias atrás.

E assim a FNM e a CBT foram extintas e os motores de nossos ônibus, carros, motos, tratores, colheitadeiras, caminhões são todos produzidos por multinacionais e o lucro vai para fora. E vivemos o paradoxo de um povo que desenvolveu ciência para explorar petróleo em águas profundas e construir aviões, mas não sabe fazer uma motocicleta, um carro… Não que não sabe, é que houve uma decisão política que entregou isto a outros e matou o que era nosso. Matou a ciência, o saber, a indústria.

Agora as multinacionais querem também a Petrobras e todo o nosso petróleo.

O processo está em andamento, por isto o preço dos combustíveis e do gás já está dolarizado e sobe conforme a moeda americana. As refinarias da Petrobras produzem 70% de sua capacidade e nós exportamos óleo cru e importamos diesel. Petrobras produz adubos nitrogenados. Fecharam a fábrica e passaremos a importar encarecendo ainda mais os custos de produção agrícola, que vai encarecer o alimento.

Os trabalhadores da Petrobras, os heroicos petroleiros, estão na linha de frente para resistir e não deixar que este descalabro aconteça.

Fosse por mim, não queria a Ford, a Mercedes, a GM, a John Deere ganhando dinheiro nas nossas costas e levando o lucro para fora enquanto nosso povo passa necessidade. Mais dia, menos dia, um projeto nacional começará a reverter esta desnacionalização reconstruindo uma nação livre, justa e soberana.

Precisamos da Petrobras nacional e pública dentro de nossas casas, em nosso cotidiano, industrializando o país e gerando emprego, vendendo combustível em reais e não em dólares. Dispensamos a Esso, a Shell, e outras que tais, sugando nosso suor, nosso sangue e levando nossas riquezas.

Até para a grande transição ecológica que as mudanças climáticas nos obrigarão a fazer, diminuindo paulatinamente a petrodependência em nossa economia, em nossa agricultura e em nossa sociedade, será mais fácil e mais viável com uma Petrobras nacional e pública.

Viva a resistência petroleira. Todo o apoio à greve dos petroleiros. Somos todos petroleiros.

Frade Franciscano é militante do Movimento dos Pequenos Agricultores.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Roger Cipó

Carta a Raull Santiago

Renata Souza

A festa é nossa, o corpo é meu!

Boaventura de Sousa Santos

O desenvelhecimento do mundo

Preta Rara

Ministro Paulo Guedes, fui empregada doméstica e preciso te dizer uma coisa

Roger Cipó

A racialização do homem branco que se faz de régua e regra

Daniel Zen

Jaguncismo de novo tipo como método de intimidação política

Jonas Maria

Trans nos esportes: o projeto, a incoerência e a transfobia

André Barros

Politizar é carnavalizar

Ana Claudino

Feminismo, Big Brother, bolhas e classes sociais

Ana Júlia

Continuaremos a apoiar meninas e mulheres na ciência?

Victoria Henrique

Trabalhadores do RJ que vendem água mineral na rua para você, sequer têm água mineral em casa para beber

Jorgetânia Ferreira

Somos todas domésticas?

Tatiana Barros

Madá, o ciberespaço e a história da internet

Daniel Zen

Um Posto Ypiranga sem combustível

Randolfe Rodrigues

A demagogia governamental contra o Bolsa Família