Ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira (E), e o ministro do STF e atual presidente do TSE, Alexandre de Morais | Alejandro Zambrana / Secom-TSE

Estamos a dez dias das eleições gerais mais importantes para a consolidação da democracia no Brasil. Bolsonaro vem de quatro anos em campanha pela permanência no poder. Não conseguiu apoio suficiente para um autogolpe, nem para destruir o sistema de votação eletrônica, que é o melhor do mundo. Suas investidas contra o STF e a Justiça Eleitoral não convenceram nem os canalhas do Centrão, que extorquiram bilhões, via orçamento secreto, para lhe dar sustentação política até o final do mandato.

O presidente afundou o país em sucessivas crises, multiplicou as vítimas da pandemia, promoveu o armamentismo e a violência, repôs o Brasil no mapa da fome e o isolou do mundo civilizado. Usou e abusou de Deus, para lançar cortinas de fumaça e dificultar a percepção do povo sobre a natureza demoníaca e incompetente do seu desgoverno. Instituiu o auxílio emergencial em plena campanha eleitoral para tentar comprar, sem sucesso, os votos da pobreza que ele mesmo produziu.

Bolsonaro apropriou-se de forma espúria das instituições e dos símbolos nacionais. Tentou transformar a nossa bandeira em estandarte da sua facção ideológica. Transformou em comício o transcurso do Bicentenário da Independência. Canibalizou o coração de Dom Pedro I e os funerais de Elizabeth II. Com mesquinho interesse eleitoral, subverteu a honrosa distinção atribuída à figura do presidente do Brasil ‒ e não à sua pessoa ‒ de discursar na abertura da Assembleia Geral da ONU.

 

(E-D) Deputado Ricardo Barros (PP-PR); Jair Bolsonaro; ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira; e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) | Reprodução Twitter de Ciro Nogueira

Saída desonrosa

Ainda estão por ser conhecidos os bastidores das relações entre o presidente e o estamento militar. De um lado, há um histórico de insubordinação à hierarquia e à orientação dos seus comandantes da parte de Bolsonaro quando foi capitão. De outro, o fortalecimento estrutural e orçamentário do Ministério da Defesa é inegável, além da garantia de privilégios previdenciários e do provimento de milhares de funções de confiança para militares da ativa e da reserva em ministérios, agências e órgãos federais, durante o atual mandato presidencial.

Nesses quatro anos, houve várias crises envolvendo quadros militares importantes. Por exemplo, a demissão do general Santos Cruz, além de mudanças abruptas no Ministério da Defesa e nos comandos do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. Mas a escolha do general Braga Neto, ex-ministro da Defesa, como candidato a vice de Bolsonaro reafirma a sua meta de subordinar as Forças Armadas à sua estratégia de se manter no poder a qualquer custo.

Correm informações sobre críticas pesadas dos bolsonaristas-raiz, inclusive dos filhos do presidente, de que os generais que ocupam ministérios e cercam o presidente no Palácio do Planalto seriam oportunistas. De fato, há quem diga que se subordinam à loucura presidencial por interesses fisiológicos, com ganhos salariais milionários. Mas também há quem sustente que é deste grupo a essência do projeto de desgoverno, sendo Bolsonaro um marionete histriônico nas suas mãos. Em todo caso, formou-se um núcleo de generais capaz de influenciar as decisões mais importantes do governo.

Seja como for, Bolsonaro alinhou os atuais ministro da Defesa e comandantes das Armas com a sua estratégia negacionista em relação ao sistema eleitoral. Aproveitando-se de uma abertura dada pelo ministro Luís Roberto Barroso quando presidiu o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a Defesa apresentou uma lista de “sugestões” que se presta, na verdade, a lançar dúvidas sobre as urnas eletrônicas.

Porém, a posse de Alexandre Moraes, ministro mais atacado por Bolsonaro, na presidência do TSE transformou-se numa manifestação contundente da sociedade civil em defesa do sistema eleitoral, deixando evidente o isolamento político do golpismo e do negacionismo. Taticamente, seguindo a trilha que já vinha sendo aberta desde a gestão de Luís Roberto Barroso, Moraes acordou com o ministro da Defesa, Paulo Sérgio de Oliveira, a realização de um teste para colher a biometria dos eleitores cujos votos servirão de amostragem para o teste de integridade das urnas eletrônicas. Foi a saída honrosa adotada para os militares recuarem e acatarem o processo e o resultado das eleições.

 

Parada militar de 7 de setembro de 2022 | Alan Santos / PR

Destilando provocações

Conforme se aproxima a hora da verdade, bolsonaristas desesperados e enlouquecidos atiram nos militantes de outros partidos. Ruralistas e predadores minerais mobilizam milícias para assassinar lideranças indígenas e trabalhadores rurais. Estamos no momento crítico da temporada de caça aos que resistem ao retrocesso.

Apesar do sofrimento e da miséria, das ameaças, insultos e provocações, das mortes evitáveis e dos usos abusivos da religiosidade e dos símbolos nacionais, o povo brasileiro suporta tudo com notável paciência, recusando o revide na mesma moeda e aguardando, na espreita, pelo momento de corrigir o erro cometido nas eleições passadas.

Ninguém duvida que podem ocorrer novos episódios de violência nos próximos dez dias. Se a disputa presidencial não for decidida no primeiro turno, ainda haverá quatro semanas de tensa agonia. Ninguém duvida, também, que Bolsonaro vai boicotar o futuro governo e querer se vingar do povo brasileiro nos meses finais do seu governo. Sequelas e heranças malditas sobrarão, aos montes.

O presidente tentou, de muitas formas diferentes, provocar reações violentas e tumultos por parte de todos quantos ele hostiliza, mas a sociedade aprendeu a lidar com ele, não dando espaço para pretextos que podem ser usados para golpear o regime democrático. A despeito das dificuldades que o país terá de enfrentar para superar o bolsonarismo, já dá para dizer que a democracia brasileira resistiu, bravamente, ao mais nefasto teste histórico, até então inimaginável!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Estudantes NINJA

Paulo Freire e o encontro com bell hooks: Um diálogo transformador de celebração do amor e da liberdade crítica

Tatiana Barros

Artistas digitais criam NFTs criticando atos antidemocráticos

Márcio Santilli

Amazônia sem lei

Márcio Santilli

Ato bolsonarista no 7 de setembro é comício

Observatório das Eleições 2022

Cada plataforma, um universo: a pluralidade de temas do bolsonarismo e do lulismo no Twitter e no YouTube

Observatório das Eleições 2022

Por que o Auxílio Brasil turbinado não ajudou Bolsonaro entre os mais pobres?

Renata Frade

Lançamentos em Tecnologia por incríveis autoras brasileiras

Márcio Santilli

Estertores do bolsonarismo

Observatório das Eleições 2022

Globalização das eleições? Protestos de brasileiros no exterior

Observatório das Eleições 2022

Os Presidenciáveis e as Cidades

Renata Souza

O crescimento do PSOL é negro, feminista e popular

Observatório das Eleições 2022

Bolsonaro: o presidente-candidato ou o candidato-presidente?

Márcio Santilli

A abstenção pode influir no resultado da eleição?

Marielle Ramires

Um ecocídio em curso

Observatório das Eleições 2022

Ciro e Tebet somam 14% no Datafolha. E agora?