A presença de invasores ameaça centenas de comunidades indígenas de contágio pelo coronavírus.

Por enquanto ainda está difícil avaliar ao certo qual será o tamanho do impacto da epidemia sobre os povos indígenas no Brasil. Há fatores que nos dão alguma esperança, como o relativo isolamento da maior parte das aldeias e o clima quente, principalmente na Região Norte, que pode ser um pouco menos favorável à sobrevivência do vírus e à sua disseminação.

Mas a experiência histórica dos povos indígenas com epidemias em geral é arrasadora. Em virtude de condições sociais, econômicas, de saneamento e de saúde piores que as dos não indígenas, essas populações são mais vulneráveis à Covid-19. Preocupa particularmente a situação dos índios isolados ou de contato recente, a menos que tenham, mesmo, a possibilidade de permanecerem isolados até que a epidemia arrefeça.

O isolamento, aliás, é a melhor receita para todos e, também, para as comunidades que mantém relações regulares com a sociedade nacional. Mas há muitas dúvidas sobre como ficará a atenção à saúde dos índios durante a crise sanitária, assim como as condições que terão para acessar produtos básicos de consumo de que dependem, como remédios, produtos de higiene, combustível e outros.

Porém a situação mais grave e preocupante é a dos povos que vivem em territórios invadidos por grileiros, fazendeiros, madeireiros e, principalmente, por garimpeiros. Imagine hordas de garimpeiros contaminados invadindo aldeias, corrompendo caciques desinformados, além da destruição e contaminação dos rios e de todas as formas de vida.

Na semana passada, os Yanomami, em Roraima, incendiaram um helicóptero e prenderam os seus ocupantes, ligados ao garimpo clandestino. Nesta semana, os Kaiapó, no Pará, rebelaram-se contra chefes ligados aos garimpeiros e exigiram a imediata retirada deles. Está fazendo diferença o fato de que as informações sobre a epidemia estão chegando aos índios, dando-lhes a oportunidade de reagir antes que seja tarde demais.

E os chefes ou grupos indígenas que, durante a epidemia, mantiverem relações promíscuas com invasores estarão ameaçando suas próprias vidas e as dos seus familiares.

Se a omissão do governo federal em relação a invasões crônicas de terras indígenas sempre foi criminosa, agora, num contexto de pandemia, ela passa a ser genocida. O governo precisa organizar operações imediatas para extirpar os focos mais numerosos de invasores, sob pena de crime de responsabilidade.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Liana Cirne Lins

Assédio nas escolas

Juan Manuel P. Domínguez

“As mulheres estão sub-representadas na política”. Entrevista com Gleisi Hoffmann.

Renata Souza

Maio e a luta negra por liberdade

Ivana Bentes

Vômito Triunfal

Daniel Zen

Breves conclusões sobre a reunião ministerial de 22/04/2020

Juca Ferreira

Às margens do rubicão

Sâmia Bomfim

A esquerda paulista e a urgência de um novo tempo

Erika Hilton

Pandemia e LGBTs: os impactos sobre a vida dos mais vulneráveis

Juliana Cardoso

Violência contra as mulheres, feriadão e lockdown ou...

Boaventura de Sousa Santos

Requiem pela democracia

Movimento dos Pequenos Agricultores

Se não plantar agora, a fome virá em seguida

Tulio Ribeiro

Vingança! Viva o Rei Messias!

Luiz Henrique Eloy

Terras indígenas na pauta do Supremo: Teoria do indigenato versus marco temporal

Talles Lopes

É pior do que parece…

Felipe Milanez

Reunião revela a grande “oportunidade” do genocídio indígena