Mãe guerreira. Heroína. Lutadora. Dedicada. Protetora. Paciente. E sobretudo: explorada. 

Sim, adoramos receber elogios e homenagens. Afinal, somos sim mães guerreiras, dedicadas, lutadoras, protetoras, pacientes. É normal querermos ver nossa dedicação reconhecida e homenageada. Mas não parece ser isso que acontece no Dia das Mães. 

Essa data é um reforço da exploração, fundada na divisão sexual do trabalho, que força mulheres a terem na maternidade uma sobrecarga de tempo e responsabilidades que não seria necessária se houvesse justa divisão do trabalho de educação dos filhos e filhas. 

Há muito se tem dito que é preciso parar de naturalizar essa divisão injusta do trabalho dedicado à educação das crianças. Dar banho, alimentar, orientar tarefa, levar para o médico, para o colégio, fazer compras das necessidades, acompanhar o rendimento escolar, administrar uniformes e materiais escolares a cada início de ano podem parecer tarefas triviais, mas consomem uma parte significativa dos nossos dias. 

Aliás, nesse Dia das Mães em quarentena, com o isolamento social, os homens que coabitam com seus filhos (lembremos que 11,6 milhões de famílias são compostas por mães solo) estão experimentando algo inédito: o estresse de acumular tarefas domésticas e tarefas relativas aos filhos que, se matriculados na rede particular, estão vivenciando a novidade da educação à distância imposta pelas condições emergenciais atípicas. 

Nesse contexto, muitos têm sido os pais que, ao mesmo tempo, se gabam e se queixam de ter tido a “produtividade” reduzida, presos que estão às tarefas comumente delegadas à mãe ou à empregada doméstica. 

Essas queixas sobre o decréscimo da produtividade são reveladoras: elas comprovam o quanto a noção de produtividade é excludente de todo o trabalho imposto às mulheres e que – como agora alguns homens estão constatando – consome parte significativa do tempo da mulher. 

Quando exaltamos a figura da mãe guerreira, muito mais do que prestar homenagens, estamos normalizando algo que deveria ser excepcional, como tempos de guerra. 

Nós, mães, preferimos que a homenagem venha em um compromisso de mudança, na assunção de novos padrões comportamentais intrafamiliares e sociais que tornem o sacrifício da mulher não uma regra, mas exceção. Mas para isso é necessário que os pais, ao invés de nos presentear com um eletrodoméstico para facilitar o trabalho explorado, dividam igualmente, com justiça, as atividades relativas à criação e educação dos nossos amados filhos e filhas, valendo-se do critério objetivo do tempo dedicado a cada tarefa. 

Enquanto isso não ocorrer, odes às mães guerreiras e heroínas não passarão de hinos à sociedade patriarcal, fundada na exploração da mulher e na injustiça de relegar à mulher o trabalho não reconhecido como produtivo, fechando para ela a possibilidade de investir seu tempo também em outras tarefas que podem lhe dar prazer ou impulsionar sua carreira, quando do seu desejo.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Gabriel RG

A cruzada do fundamentalismo capitalista contra a ciência

Ana Claudino

Seu silêncio não vai proteger você

Amara Moira

Manifestações em tempos de pandemia

Marielle Ramires

Democracia com luta, ou não haverá

Colunista NINJA

Vivemos também uma pandemia de horror

Carina Vitral

Combater o fascismo é uma emergência

SOM.VC

CALL CENTER - Encontros Webnaries Performance and Música

Randolfe Rodrigues

Liberdade de imprensa é valor inalienável da sociedade civil

Dríade Aguiar

O que deveríamos estar fazendo no "Blackout Tuesday"

Fred Maia

Quando a montanha pariu um monstro

transpoetas

Demétrio Campos, presente!

André Barros

Viva Marielle! Fora Bolsonaro!

Movimento dos Pequenos Agricultores

Se não plantar agora, a fome virá em seguida

Tulio Ribeiro

Vingança! Viva o Rei Messias!

Luiz Henrique Eloy

Terras indígenas na pauta do Supremo: Teoria do indigenato versus marco temporal