Ninguém está sentindo medo? Sério!?

Foto: Reprodução

Quem é a próxima vítima do ódio? Eu? Você?

Uma das minhas tombou.

Ninguém está sentindo medo? Sério!? Porque eu temo a minha vida quando estou em lugares abertos ou superlotados. Quando entro no metrô também. Eu ando de janelas fechadas, prefiro carro de vidro fumê. Minha cadeira de rodas tem cinco níveis incríveis de velocidade, eu ando no cinco correndo para que eu não seja parada em momento algum, porque dependendo do lugar, eu tenho medo.

Não converso com todo mundo que me aborda. Se alguém me grita na rua eu aceno, às vezes. Nunca conversei, mesmo sendo a coisa que eu mais amo fazer, e já ia me esquecendo, também ando de cabeça baixa se estou sozinha.

Me esquivo de toques surpresas, e às vezes reajo mal, porque tenho medo que alguém queira me puxar. Se estou de joelhos na cadeira de rodas pra conversar, como sempre fico, quem me conhece sabe, prefiro que alguém fique próximo a mim, me sinto mais segura.

Quando algum macho hétero branco me elogia ou pede foto, fico receosa. Se daqui a algumas horas minha página ser bombardeada de ataques, idem. Quando tem muita gente no local e eu não consigo visualizar a saída, devido estar sentada e mais baixa, peço para alguém abrir caminho para que eu passe, não só por causa da acessibilidade, mas também porque consigo andar com mais agilidade para sair da multidão, nunca sei o que pode acontecer.

Estrelismo!? Parece neh? Antes fosse… Agora me dei conta que ser quem eu sou me torna um alvo fácil. Parece uma loucura, mas neste momento está muito mais palpável a insana brutalidade cega, disfarçada de posicionamento político alienado.

Meu país não é um lugar seguro para mim.

Welcome to Brazil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

História Oral

Quando tudo for privatizado, o povo será privado de tudo e o Amapá é prova disso

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil