6698216665_c8b0a78234_b

Ruas da Cracolândia. Foto: Mídia NINJA

eu vi os homens perderem a visão do dia para a noite
destroçados pela rotina que lhes retirou a liberdade de pensar,
irmãos e irmãs se matando por pequenos pedaços de prazer
em uma vida tão desgraçada, que a morte soa como a melhor parte.

eu vi o sangue de uma geração escorrer pelas escadarias do carandiru,
e seus lábios se queimarem nos cachimbos de alumínio que evaporam crack.

eu vi na ponta do fuzil a sua vida se resumir à caneta de alguém que você jamais viu
e as balas voarem das palavras de quem tem a sua mesma origem
mas aplaude a sua morte.

eu vi o extermínio do meu povo sendo aceito pelo meu povo
e eu me pergunto quem pode nos colocar uns contra os outros?

eu vi o gatilho sendo apertado por muitas mãos
e o sangue fazer arder no peito o desejo de justiça,
sem perceber, que o sangue também é meu
e sou eu quem morre todos os dias.

sou eu quem mata todos os dias.

eu vi as multidões se sentirem tão solitárias a ponto de se suicidarem tão lentamente
que decidiram se mutilar um dia de cada vez,
a fim de que possam viver a partir do sofrimento de outrem.

eu vi os ditos loucos transformados em inimigos número um do estado
e terem seus braços amarrados, suas pernas e troncos chicoteados,
suas casas destruídas, seus pertences levados e sua dignidade roubada.

eu vi drogas surgirem na madrugada de uma noite qualquer dos anos 90
nas esquinas e vielas, nos dedos queimados, nas latas de refrigerante
levando até mesmo os mais fortes de caráter a sucumbir em tua fumaça

eu vi então empreendermos uma guerra contra nosso próprio povo
gerida e negociada por quem produziu e distribuiu o que pretende “combater”

eu vi os exércitos entrarem nas cidades e controlarem nossos corpos
em nome de algo que eu nunca entendi o quê,
mas que também nunca tentaram me explicar
porque não precisam falar e você também não precisa entender,
“abaixe a cabeça e aceite: é assim que deve ser”.

eu vi desde Os Panteras eles matarem e encarcerarem
sob a mesma desculpa que parece nunca cessar, que sempre se renova,
sempre suficiente para convencer

eu vi homens fardados guardando homens de gravatas e blazers bem cotados
sorrindo felizes e admirados, gravando ao vivo em seus celulares o recado:
“meu povo, tudo está sendo bem administrado! vejam como mato os seus logo aqui ao lado!
esses outros vão para um manicômio, onde serão muito bem tratados! esse é o meu trabalho!”

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Ana Claudino

Eles odeiam gente como nós

Renata Souza

A cor da resistência

Colunista NINJA

Contra ataques, afirmamos o ENEM como instrumento de democracia

Colunista NINJA

MARIGHELLA, o roteiro

Agatha Íris

Mister Trans Brasil, seria o seu conceito de beleza embranquecido e normativo?

Laryssa Sampaio

Meu pequeno país: o genocídio e a guerra em Ruanda pelo olhar de Gabriel

Rachel Daniel

São Paulo é a Sodoma de nossos tempos, o gado da Bovespa o bezerro de ouro

Márcio Santilli

Semipresidencialismo é o centrão sempre com o poder na mão

Alexandre Araújo

Copo "meio cheio" não salva uma casa em chamas

Bruno Trezena

Eu não conhecia Bolsonaro

Márcio Santilli

Farsa bolsonarista na COP-26

Bancada Feminista do PSOL

Manifesto Juventude Negra Viva e Livre

Agatha Íris

Mister Trans Brasil, seria o seu conceito de beleza embranquecido e normativo?

Amanda Pellini

Criatividade e resistência. Entrevista com Fábio Miranda, criador do projeto Instituto Favela da Paz

Colunista NINJA

Leal, honesto, amoroso: "Marighella" evoca resistência, enche de tensão e faz chorar