.

‘Diz a Ela Que Me Viu Chorar’, lançado esta semana, reconta a vida de pessoas em situação de rua na Cracolândia

Lançado na última quinta-feira, 13, o documentário ‘Diz a Ela Que Me Viu Chorar’, da diretora Maíra Bühler, se propôs a documentar a vivência de moradores do Hotel Dom Pedro II, em que pessoas que estavam em situação de rua na região conhecida como Cracolândia, no Centro de SP, foram acolhidas através do programa De Braços Abertos.

Descontinuado em 2017 com a entrada do então prefeito, João Dória (PSDB), o programa foi uma tentativa da gestão de Fernando Haddad (PT) de solucionar a questão das cenas de uso abusivo de drogas no centro da capital oferecendo moradia, saúde, assistência social e trabalho.

O hotel retratado foi o ápice do DBA. Único totalmente controlado pela prefeitura, foi o que abrigou mais pessoas, 103 moradores no total, desde crianças à idosos, uma ação ousada do governo de turno e um enorme desafio para os trabalhadores da saúde e assistência social, responsáveis por controlar um cenário que a qualquer momento poderia convulsionar.

‘Diz a Ela Que Me Viu Chorar’, no entanto, vai muito além das descrições de programa, do uso abusivo de drogas ou mesmo da miséria e violência à qual essas pessoas estão submetidas. O documentário revela a intimidade dos moradores, acessando temas caros à humanidade: amor, raiva, Deus, violência, amizade e sobrevivência.

A sensação é que, fosse onde fosse, a intensidade das relações que o filme captura poderia ser um livro de Jorge Amado ou um longa de Buñuel, colocando no centro da imagem as reações e interações de pessoas que são marginalizadas e excluídas pela sociedade.

Além disso, devolve a dignidade dessas pessoas, relegadas a um constante processo de perda de humanidade para a sociedade. Tão vibrantes e tão sentimentais quanto qualquer um, nos pequenos detalhes do dia a dia, o documentário expõe com muita sensibilidade os amores e histórias, devolvendo aquilo que jamais deveriam ter-lhes tirado.

O filme ainda ganhou uma sessão especial no fluxo da cracolândia, com a presença de alguns ex-moradores do prédio, fechado em 2018 ainda sob a gestão Dória na prefeitura de São Paulo. Diga-se de passagem, a maior parte dos beneficiados pelo programa acabaram voltando para onde estava: as ruas do centro.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Rachel Daniel

O silêncio das igrejas sobre sexo é ensurdecedor

Movimento dos Pequenos Agricultores

 Guedes tropeça na saca de milho

NINJA

Veto à Praça Marielle Franco é mais um gesto autoritário do governador do Distrito Federal

Roger Cipó

Reflexões sobre o amor na luta contra o racismo

NINJA

E quando quem tá para servir, te persegue?

Daniel Zen

Violência simbólica e violência real

Daniel Zen

Dois absurdos ambientais em um único projeto de lei

Tainá de Paula

Ô glória: o Rio de Janeiro no fundo do poço

Daniel Zen

Liberais na economia, nazistas nos costumes

Rachel Daniel

Quando se demonizam os evangélicos...

Ana Claudino

O amor camarada sapatão

Cleidiana Ramos

O culto a São Lázaro faz lembrar dos corpos que se deseja esquecer

Gabriel RG

Cosplay nazista de Roberto Alvim rompe a cortina ideológica de toda a direita

Boaventura de Sousa Santos

Para uma nova Declaração Universal dos Direitos Humanos I

Valentine

A luta de classes no Brasil tem a ver com raça e gênero, sim! Parte 1