via GIPHY

Atenção, essa coluna contém spoilers de Matrix Resurrections

Matrix é um dos filmes de ficção científica mais revolucionários e aclamados da história do cinema, dirigido e escrito pelas talentosíssimas irmãs Wachowski (V de Vingança, Speed Racer e Sense8 entre outros).

A obra se tornou ícone dentro do mundo cyberpunk e traz diversas referências literárias, religiosas e filosóficas. Essa coluna vem abordar algumas delas.

 

Cena de Animatrix (2003) / Warner Bros

Entendendo Matrix:

A guerra entre humanos e máquinas.

Houve uma guerra entre humanos e máquinas conscientes que estourou no inicio do século XXII com ambos os lados lutando pelo controle do planeta.

Tudo isso começou quando um robô servo, B1-66ER, ouviu seus proprietários planejando que ele fosse descartado e substituído por um modelo mais moderno. Não querendo morrer, matou seus donos. B1-66ER foi considerado culpado de assassinato e condenado à destruição junto com o resto de sua espécie. O julgamento do robô acendeu o debate em todo o mundo sobre os direitos das máquinas e gerou protestos e violência, iniciando assim a guerra.

Destruição do céu
Desesperados, os humanos bloquearam a luz do sol, pois as máquinas eram alimentadas pela luz solar, prejudicando todas as espécies do planeta.

Apesar de todos os esforços, as máquinas venceram essa guerra e, estudando o corpo humano, elas encontraram uma maneira de obter energia através dele. Para fazer isso, elas aprisionam as pessoas dentro de uma realidade virtual chamada Matrix.

via GIPHY

1 – O código verde do início de “Matrix” é apenas um monte de receitas de sushi

Bateu aquela fome quando você começou a assistir Matrix?

Tem uma explicação: o código que aparece no início do filme nada mais são que receitas de Sushi, a revelação foi feita por Simon Whiteley, ao site CNet. Ele trabalhou como designer de produção no filme e disse que a inspiração para o código veio dos livros de culinária de sua mulher.

Matrix ( 1999) / Warner Bros

2.Alegoria da caverna

Alegoria da caverna é o sétimo capítulo do livro Republica escrita pelo filósofo grego Platão (428 a.C.-347 a.C.) e representada por Sócrates (470 a.C.-399 a.C.) e Glauco. A metáfora narra a libertação do homem das correntes da ilusão.

Nessa alegoria, as pessoas nascem presas numa caverna, acorrentadas, e a única coisa que conseguem enxergar é uma parede onde sombras de pessoas, objetos carregados por elas e animais que passam são projetadas através de uma chama, essa é a única realidade que conhecem.

Até que um dia, um deles se liberta e pela primeira vez vê a luz do sol. No primeiro momento a luz o deixa cego e incomoda, toda realidade do mundo fora da caverna ainda é algo desconhecido e difícil de entender. Com o tempo, ele aprende a contemplar o mundo real, ele nota que as pessoas, objetos e animais que projetavam a sombra existem, e que há outras cavernas, montanhas e um mundo a ser explorado.

A luz representa a verdade, conhecimento. A sombra por sua vez representa os preconceitos, nossa ignorância, ideias pré concebidas quando não enxergamos o todo com clareza.

Matrix (1999) /Warner Bros

E assim como o despertar na metáfora de Platão, Neo, quando vai para o mundo real, vive um processo doloroso. Seu corpo está atrofiado pois seus músculos nunca foram utilizados. Quando ele enxerga a luz pela primeira vez, ela a incomoda e no primeiro momento ele demora para aceitar e entender a realidade.

Cena de Matrix (1999)/ Warner Bros – Temet Dosce, Conhece-te a ti mesmo em latim

3.Sócrates e o Oráculo de Delfos

Em uma das cenas de Matrix, Neo faz uma visita a Oráculo. Ela aponta a placa que está na entrada com a frase em latim: “temet nosce”,  que  significa “Conhece-te a ti mesmo” 

Assim como no filme, existia um oráculo na Grécia antiga com essa frase na entrada.

Oráculos eram locais onde as pessoas consultavam para receber respostas sobre as dúvidas que as assolavam. As sacerdotisas respondiam decifrando as mensagens dos Deuses.

O templo utilizado como referência no filme é o da cidade de Delfos e era dedicado ao Deus Apolo.

Assim como Neo, Sócrates foi se consultar no templo, Oráculo de Delfos. A sacerdotisa afirmou que ele era o homem mais sábio que existia. No entanto, a resposta dele foi aquela que é a sua frase mais conhecida: “Só sei que nada sei”.

Sócrates foi divisor de águas na filosofia, tanto que filósofos antes dele são chamados de pré-socráticos.

Os filósofos pré-socráticos estavam preocupados em encontrar o fundamento lógico de todas as coisas na natureza, como Pitágoras (570 – 495 a.C), Tales de Mileto (624 — 546 a.C.), entre outros. Sócrates, por sua vez, estava mais interessado no autoconhecimento, na nossa relação transformadora com os outros e com o mundo e, assim como Neo no filme, questionava a realidade ao seu redor.

Glória Foster – Matrix (1999) e Matrix Reloaded (2003) e Mary Alice Matrix Revolutions (2003)

4. Por que o Oráculo de Matrix mudou??

A atriz Gloria Foster faleceu em meio às filmagens das sequências de Matrix em decorrência de problemas causados pela diabetes. Ela já havia rodado a maior parte de suas cenas em Matrix Reloaded (2003), mas não havia ainda rodado cena alguma de Matrix Revolutions. Para substituí-la, os produtores contrataram a atriz Mary Alice, que também dublou a personagem para o jogo “Enter the Matrix”.

Matrix (1999) / Warner Bros

5. Quarto 101

O quarto em que Neo está no início do filme 101 é uma referência ao livro 1984, de George Orwell (25 de junho de 1903 a 21 de janeiro de 1950). No livro, o quarto 101 era uma câmera para onde as pessoas eram levadas para serem aprisionadas e torturadas, sendo expostas ao seu maior pesadelo.

Matrix (1999) / Warner Bros

6. Alice no País das Maravilhas

No primeiro filme da saga, Trinity diz para Neo: “Siga o coelho branco”, uma clara referência à obra de Lewis Carroll.

Em mais uma alusão à obra, Morpheus chega a dizer que a pílula vermelha mostrará a Neo “até onde vai a toca do coelho”

Já em “Matrix Resurrections” a personagem Bugs ( Jessica Henwick ) também possui a tatuagem de coelho branco. Ela diz para Neo: “Se quer a verdade, Neo, você terá que me seguir”.

O livro aparece na mesa de Sati (Priyanka Chopra Jonas). Sati é a criança que estava em treinamento para se tornar o Oráculo nos filmes anteriores, em Matrix Resurrections ela está mais velha.

Ainda em Matrix  Resurrections, no início do filme toca a música “White Rabbit” (Coelho Branco) da banda Jefferson Airplane.

via GIPHY

Os espelhos em Matrix Resurrections também servem como portais, em Alice no País das Maravilhas, a jovem vive novas aventuras em um mundo invertido situado dentro do espelho.

via GIPHY

7. Messias

Neo (Keanu Reeves) morre, ressuscita e ascende aos céus. Isso te lembra algo?

A trajetória de Thomas A. Anderson, apelidado de Neo, é o Messias. O escolhido tem muitas semelhanças com a história de Cristo.

“Você é meu salvador, cara. Meu Jesus Cristo particular”

Diz Chad, um comprador de softwares ilegais de Neo, enquanto ainda era Thomas Anderson, um programador no mundo real.

Tatuagem no braço de Bug / Matrix Resurrection (2021)

8. Referências Nostálgicas Matrix Resurrections

O quarto filme da saga tem muitas referências nostálgicas a trilogia: como a clássica cena de luta com Morpheus treinando Neo.

Neo, que em Matrix 4 é um designer de games, dentro da Matrix ainda não está totalmente desperto. Podemos vê-lo comendo um pedaço de carne, ele olha para o alimento e o enfia na boca, mastigando vagarosamente. O momento em questão é uma referência ao personagem de Cypher (Joe Pantoliano), no primeiro Matrix.

A cena de Neo e Smith lutando, totalmente ensopados, com água caindo, te lembra algo? Só que dessa vez o Smith que foi interpretado por Hugo Weaving nos outros filmes está na pela de outro ator (Jonathan Groff).

Há uma cena icônica de projéteis de munição caindo de um helicóptero no primeiro filme. Wachowski repete este tiro quando os agentes encontram Trinity e Neo em um telhado.

O gato do analista se chama Deja vu, uma referência ao primeiro filme, quando Neo vê o gato cruzando seu caminho duas vezes seguidas, indicando a falha na Matrix.

Matrix (1999) /Warner Bros

9. Santíssima trindade

O nome Trinity é uma referência à santíssima trindade religiosa. No catolicismo, Deus é definido em três partes: Pai, representado pelo Morpheus, Filho, por Neo e Espírito Santo, o papel de Trinity.

Matrix Reload (2003) / Reprodução Warner Bros – Detalhe da placa do carro do agente Smith

10. Placa do carro do agente Smith

A placa do carro  do agente Smith em Matrix Reload (2003) é  IS S5416, uma referência ao salmo Isaias 54.16 que diz:
Eis que eu criei o ferreiro, que assopra o fogo de brasas, e que produz a ferramenta para a sua obra; também criei o assolador, para destruir.

A passagem é uma referência a Smith, o principal agente encarregado de caçar membros da Resistência humana em Matrix, e que mais tarde se tornou “desconectado” após ser destruído por Neo no final do filme. Nas sequências The Matrix Reloaded e The Matrix Revolutions, Smith era um agente livre capaz de se copiar como um vírus de computador e se espalhar. Outra curiosidade é que Ferreiro em inglês é Blacksmith.

 

Matrix Reload (2003) / Warner Bros – Detalhe da placa do carro de Trinity

11. Placa do carro de Trinity

A placa do carro de Trinity, quando ela foge com o Morpheus e o chaveiro, é DA203. Remete a Daniel 2:03, que diz:

“Tive um sonho; e, para saber o sonho, está perturbado o meu espírito”.

No contexto do filme, essa frase tem várias ligações, uma delas é que na passagem da bíblia, essa frase foi dita por Nabucodonosor, que também é o nome da nave do Morpheus.

Matrix (1999)/ Reprodução Warner Bros

12. Deus dos sonhos

O nome Morpheus por sua vez é uma referência ao Deus do sonho na mitologia grega, que tem a habilidade de assumir qualquer forma humana e aparecer nos sonhos das pessoas.

Morpheus no filme é quem faz Neo despertar de Matrix, contando toda verdade sobre o mundo real.

Matriz (1999) /Warner Bros – Nave Nabucodonosor

13. Nabucodonosor

A nave de Morpheus, Nabucodonosor, é uma alusão ao rei da Babilônia que foi rei constantemente acometido por sonhos perturbadores.

The Matrix Reloaded (2003)/ Warner Bros

14. MUZA 25 19

MUZA 25 19 é um grafite em uma parede em The Matrix Reloaded. É mostrado logo antes do Agente Smith entregar seu protetor de ouvido como um presente para Neo.

O grafite é uma referência ao salmo 25.19 que diz:

Olha para os meus inimigos, pois vão se multiplicando e me odeiam com ódio cruel

via GIPHY

No contexto do filme, esse salmo está mais uma vez ligado ao agente Smith, que em Matrix Reload encontra uma maneira de se multiplicar.

Matrix (1999) / Reprodução Detalhe da placa da nave de Morpheus

15. Placa na nave Nabucodonosor

Em Matrix (1999) na tour pela nave Nabucodonosor de Morpheus com Neo, há uma placa com a referência bíblica do versículo Marcos 3 versículo 11, que diz:

Sempre que os espíritos imundos o viam, prostravam-se diante dele e gritavam: “Tu és o Filho de Deus”.

Neuromancer, de William Gibson (1984)

16. Neuroromancer

Considerada a obra precursora do movimento cyberpunk, e uma das principais influências de Matrix, Neuromancer de William Gibson,  é um romance de ficção cientifica que conta a história de Case, um cowboy do ciberespaço e hacker da Matrix. Após tentar enganar os seus patrões, seu sistema nervoso é contaminado por uma toxina que o impede de entrar no mundo virtual.

o anime Ghost in Shell (1995)

17. Ghost in the Shell

Ghost in the Shell (O Fantasma do Futuro) é uma animação japonesa, do ano de 1995, dirigido por Mamoru Oshii. Influenciou Matrix principalmente na estética, nas cores utilizadas como preto, verde neon, os plugins que conectam os humanos na nuca, óculos escuros utilizados pelos personagens. E também as questões sobre ser humano e máquina são muito presentes nessa obra, onde cérebro e o corpo humano se unem às peças eletrônicas.

 

O estilo cyberpunk, até pessoas hackeando o seu cérebro para coletar informações, é muito presente nas referências do trabalho de Mamoru Oshii em Matrix.

Cenas de luta do anime japonês também influenciaram o saga.

 

Matrix(1999)/Warner

 

Matrix (1999) / Cor azul indica mundo dominado pelas máquinas, dentro da Matrix

18. Cores

As mudanças nos tons é utilizada pra identificar em que tipo de mundo os personagens estão. Se for VERDE, indica que estão dentro da Matrix, se for AZUL, eles estão fora.

Matrix (1999) /Warner Bros

Cena de Trinity e Neo fora da Matrix, com tons azuis.

Switch (E) foi interpretada por Belinda McClory no primeiro ‘Matrix’. Imagem: Warner Bros/Reprodução

19. Alegoria Trans

Depois que as diretoras/roteiristas da franquia se assumiram mulheres trans, muitos fãs questionaram se a franquia tem alguma relação com metáfora trans. Lilly confirmou em uma entrevista essa teoria:

“Matrix” é uma metáfora sobre aceitação e transição de gênero, afirma Lilly Wachowski, uma das criadoras de Matrix a uma entrevista a BBC News.

via GIPHY

O longa tinha planos para personagem Switch ser uma mulher no Matrix e um homem no mundo real, o objetivo era provar que o corpo físico de uma pessoa e a maneira como ela vê a si mesma em um mundo em que pode controlar sua aparência podem nem sempre coincidir. Essa possibilidade foi eliminada do filme pelo estúdio.

“Essa era a intenção original, mas o mundo não estava totalmente preparado”, revelou Lana Wachowski


Assista acima a entrevista completa.

 

Fontes : Matrix Fandom, Elegante, Sessão Nerd, A República, Platão, Netflix Film Club, Omelete
Cineset

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Movimento dos Pequenos Agricultores

Agricultura no estado do Rio de Janeiro pede socorro

Renata Frade

Lusofonia, diversidade e inclusão de gênero marcam nova comunidade feminina tecnológica  

Talles Lopes

Cultura: o que fazer diante do tsunami Omicron… 

Aquiles Marchel Argolo

Confinada: um diário obrigatório

Amanda Gondim

Desastres ambientais e a violação dos direitos humanos

Colunista NINJA

BBB e racismo

Colunista NINJA

2022: Estado de Emergência Cultural

Colunista NINJA

A imagem que revela outro Brasil possível

Campanha em Defesa do Cerrado

Dor, indignação e admiração: forças-correntezas presentes na Audiência das Águas

NINJA

O extremo como banalização da vida

Márcio Santilli

Bolsonaro quer pretexto para escapar da derrota

Juan Manuel P. Domínguez

U'wa, guardiões da nossa mãe terra

Amanda Pellini

O tecnicismo da medicina atual e os cuidados paliativos

Bruno Trezena

Não olhe para cima! (versão Brasil)

Márcio Santilli

Chegou a hora da verdade climática