O Brasil começa de novo a se parecer com o Brasil. O novo governo anunciou na última quinta-feira sua imediata incorporação à Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), um dos principais blocos de debate político da região.

O Itamaraty comunicou aos países membros da CELAC “sua plena e imediata reinserção em todas as instâncias políticas e técnicas do mecanismo”.

“O retorno do Brasil à Celac é um passo essencial para a recomposição de nosso patrimônio diplomático e a plena reintegração do país à comunidade internacional”, diz a pasta ministerial.

Da mesma forma, as Relações Exteriores destacaram que é um “mecanismo privilegiado para a promoção do diálogo político, acordo regional e cooperação em temas como saúde, inclusão social, meio ambiente, segurança alimentar e energética”.

Com isso, o gabinete confirma a participação do presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, na VII Cúpula da CELAC, agradecendo ao seu homólogo argentino, Alberto Fernández, que, como presidente interino do fórum, o convidou.

Adesão será selado no próximo dia 24, em Buenos Aires, durante a VII Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da Celac e primeira viagem internacional do presidente Lula.

Mas o que é a CELAC?

A Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) foi criada em Caracas, República Bolivariana da Venezuela, no âmbito da III Cúpula da América Latina e do Caribe sobre Integração e Desenvolvimento (CALC) e da XXII Cúpula do Grupo do Rio, reuniram-se em 2 e 3 de dezembro de 2011. O ato de criação foi concretizado por meio da assinatura da Declaração de Caracas, pelos Chefes de Estado e de Governo da América Latina e do Caribe e na qual define a CELAC como um “mecanismo representativo para coordenação política, cooperação e integração dos Estados latino-americanos e caribenhos e como espaço comum que garante a unidade e a integração de nossa região”.

Surge com o compromisso de avançar no gradual processo de integração da região, fazendo um sábio equilíbrio entre a unidade e a diversidade política, econômica, social e cultural dos 600 milhões de habitantes da América Latina e do Caribe.

Desde seu lançamento em dezembro de 2011, a CELAC tem contribuído para aprofundar o diálogo respeitoso entre todos os países da região, em temas como desenvolvimento social, educação, desarmamento nuclear, agricultura familiar, cultura, finanças, energia e meio ambiente.

Da mesma forma, a CELAC tem promovido que a América Latina e o Caribe se assumam como uma comunidade de nações, capaz de dialogar e buscar consensos sobre temas de interesse comum.

Por mandato dos Chefes de Estado e de Governo, a CELAC constitui a voz unificada da região em questões de consenso; É o único interlocutor que pode promover e projetar uma voz articulada da América Latina e do Caribe na discussão dos grandes temas globais, com o objetivo de buscar uma melhor inserção e projeção da região no cenário internacional.

Como mecanismo representativo da América Latina e do Caribe, a CELAC assume, entre suas atribuições, o diálogo da Comunidade com outros países e grupos regionais. Entre eles, o Diálogo da CELAC com a União Européia, o Fórum CELAC-China, o Mecanismo de Diálogo com a Federação Russa, bem como a aproximação com a República da Coreia, o Conselho de Cooperação dos Estados Árabes do Golfo, Turquia e Japão .

A CELAC busca complementar a arquitetura regional já existente com base na não duplicação de esforços, a fim de promover elementos comuns e promover a complementaridade.

A CELAC pode ser resumida da seguinte forma:

É um mecanismo de diálogo e pactuação política.
É um mecanismo articulador, que funciona com base no consenso.
É um fórum que avança na convergência de ações e interesses comuns.
É uma plataforma que facilita uma maior presença da nossa região no mundo.
É um espaço para enfrentar desafios comuns.

O Brasil retoma as relações bilaterais com seus estados irmãos da América Latina e o Caribe. O Brasil voltou a abraçar sua identidade latinoamericana, a querer ser Brasil.

Fontes: CELAC / Jornal La Nación.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Márcio Santilli

Golpe em falso

Juan Manuel P. Domínguez

A direita dá um banho de sangue no Peru

NINJA Esporte Clube

Camisa da seleção tem seu pior momento: é símbolo de terrorismo

Juan Manuel P. Domínguez

Europa e seu inconfundível perfume de ladrões de arte africano

Márcio Santilli

Militares precisam incorporar emergência climática a sua visão estratégica

Eduardo Sá

Folha Seca: a livraria que há 25 anos promove cultura e política no Centro do Rio de Janeiro

NINJA Esporte Clube

A indignação seletiva e omissão do futebol brasileiro com Daniel Alves

William Filho

Será que o Lula vai legalizar a maconha no Brasil?

Tatiana Barros

Como a falta de espontaneidade no mundo corporativo me reaproximou do humor

Célio Turino

Sobre os Pontos de Cultura e o conceito de Cultura Viva

Ivana Bentes

Olhar é um ato violento

Márcio Santilli

Marina no clima

Mariane Santana

Censurada, novamente, a fotógrafa Pamela Facco cobra judicialmente o Instagram mesmo após ter ganho caso em 2019 contra danos morais à sua conta

André Menezes

Um preto no topo é, sim, motivo para celebrar, mas precisamos lutar por uma emancipação coletiva