Ninguém quer mais a volta às aulas presenciais do que nós mães. Estamos há 10 meses cuidando de nossas filhas e filhos em tempo integral e, acreditem, está bem pesado. Com as/os pequenos/as já passamos por todas as brincadeiras, as do passado, as do presente e já esgotamos a nossa criatividade. Explicamos centenas de vezes por que não podem sair, por que não podem visitar a vovó e o vovô, por que, por que, por que…

Também não está nada fácil manter adolescentes e jovens em isolamento. Afinal, esse é um tempo especial de experiências e ficar em casa sem os encontros não é o que a galera deseja. Mas nós, mães, apesar da sobrecarga, seguimos em defesa da vida, não só de nossos filhos e filhas, já que sabemos que é uma contribuição necessária para toda a sociedade em tempos da gravíssima crise sanitária.

As nossas tarefas têm sido muitas. Estamos arcando com a falta de políticas de cuidados e realizamos grande parte do serviço doméstico. Cuidamos da proteção de nossa família de muitas maneiras, mais ainda neste momento de pandemia e não vamos deixar que todo nosso esforço seja em vão. Diante disso, manifestamos pela não reabertura das escolas de Uberlândia em 8 de fevereiro. Sabemos o quanto a educação presencial é importante e sabemos que o isolamento, em um período tão longo, traz consequências para a saúde mental de todas as pessoas envolvidas, mas temos certeza de que as consequências do retorno às aulas presenciais neste momento podem ser fatais. Não aceitamos colocar a vida de nossas filhas e filhos em risco!

Justo agora, momento em que temos os bons resultados das vacinas, especialmente da Coronavac, fruto da pesquisa pública do Butantan, em parceria com o laboratório chinês Sinovac, e da dedicação e seriedade de profissionais brasileiras e brasileiros que lutam para salvar vidas. Queremos vacinas para todo o povo brasileiro e nenhum risco para nossas filhas e filhos.

Neste sentido, somos favoráveis ao retorno presencial das aulas apenas no momento mais seguro que a nação puder nos oferecer, isto é, depois da vacina. Não se pode esperar que crianças e adolescentes, depois de quase um ano sem se encontrarem, mantenham distanciamento social. Além disso, não foram realizadas mudanças na infraestrutura das escolas públicas para superar os problemas históricos da falta de ventilação, superlotação, dentre outros problemas que vão impedir a concretização dos procedimentos seguros indicados pelos órgãos responsáveis e respeitando as condições sanitárias mínimas. Sugerimos que, enquanto a vacinação não é uma realidade, esse intervalo seja usado para o necessário planejamento e reestruturação das escolas públicas e particulares da cidade para garantir todas as condições exigidas. É fundamental que a comunidade escolar e os/as especialistas sejam ouvidos/as. E não é demais lembrar que especialistas na educação são os/as docentes e todos os profissionais que atuam na área. Sem essa audiência, as chances de retorno com êxito são quase nulas.

Infelizmente, as mais de 200 mil pessoas mortas não nos permitem desconsiderar a força desse vírus. Em Uberlândia, o número de casos confirmados em janeiro triplicou e a Prefeitura reativou os leitos de UTI do Hospital Santa Catarina. Ainda assim, o próprio secretário da saúde alertou, em 11 de janeiro deste ano, que poderá faltar leitos de UTI. Além do risco de morte, tem causado sofrimento e sequelas aos que foram acometidos pelo vírus.

A sobrecarga dos/as profissionais de saúde, sua exaustão para atender (muitas vezes sem as devidas condições) e todas as pessoas que estão adoecendo também são fatores que precisam ser considerados. Cabe a nós, como mães e cidadãs, dizer aos nossos filhos e filhas que é preciso esperar. Não é o que gostaríamos, mas é o que deve ser feito. Esse é um aprendizado duro, mas importante e necessário. O que importa agora é a vida, é não contaminar os/as mais velhos/as, as pessoas em grupos de risco e com deficiências. Isso já seria suficiente para não enviarmos nossos/as filhos e filhas às escolas. Todavia, sabemos que a pandemia tem matado também crianças, jovens e adultos saudáveis, por isso afirmamos: retorno às aulas só com segurança: depois da vacina, a nossa única garantia.

Esperamos contar com o apoio de todas as pessoas que defendem os conhecimentos científicos e que colocam a defesa da vida em primeiro lugar. Apelamos às autoridades dos três poderes para que sejam parceiros/as de quem tem arcado com grande parte do peso dos cuidados. Apelamos aos proprietários das escolas particulares para que revejam a volta às aulas presenciais, vocês não têm como garantir que nossos/as filhos/as não serão contaminados/as. Estamos cansadas, mas não o suficiente para submeter nossos/as filhos/as a esse risco. Estamos dispostas a seguir em luta, em defesa da vida, podemos contar com vocês?

“A gente vai muito longe depois de estar cansado” (Lebret)

Assinam esse manifesto mães em defesa da volta às aulas somente após a vacina e demais pessoas apoiadoras da causa.

Preencha o formulário para também assinar o manifesto: https://forms.gle/EfWLAK6uVP16GAiv8
Instagram: @maespelavacina
Facebook: facebook.com/maespelavacina

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Tatiana Barros

AutorAS de ficção científica no Brasil? Temos sim!

Morena Meireles

Boas vindas de uma UX Designer

História Oral

Censura e perseguição contra Educadores

Ivana Bentes

Karol Conká não é Odete Roitman

transpoetas

Caminhadas marginais: 20 de fevereiro e a luta de corpos transmasculinos

Mariane Santana

Um papo descomplicado sobre algoritmos de redes sociais

Aline Calamara

Um corpo para consumo nas redes

Bruno Ramos

Salvador da Rima, a truculência da PM e os desafios do Funk

Álamo Facó

A fundação do Rio e o início do fim

Renata Souza

Epidemia de feminicídios: as mulheres querem viver, não sobreviver!

Renata Frade

Inclusão e diversidade em Tecnologia da Informação desde a infância

Amanda Pellini

5 maneiras de resgatar um idoso do abandono nas novas tecnologias.

Márcio Santilli

Titulação de quilombos repara injustiças e reconstrói relações

Daniele Apone

Que tal a gente desaglomerar de vez?

Márcio Santilli

Com as próprias mãos: reflorestando a Asa Norte